A mentira de Trump sobre o combustível ‘apreendido do Irã’ revelada

O petroleiro iraniano Fortune atracou na refinaria de El Palito após chegar a Puerto Cabello, no estado de Carabobo, no norte da Venezuela. em 25 de maio de 2020. (FOTO: AP)

Três empresas alegaram ser donas da carga de combustível, apreendida pelos EUA, sob a premissa de que pertencia ao Irã e ia para a Venezuela.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos informou em 14 de agosto que havia apreendido quatro navios-tanque iranianos, com “aproximadamente 1,116 milhão de barris de petróleo”, com destino à Venezuela.

Na terça-feira, em ação no Tribunal Distrital dos Estados Unidos do Distrito de Colúmbia, a empresa internacional Mobin, com sede nos Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos), alegou ser a dona da carga a bordo do Tanques Bella e Bering.

Do mesmo modo, a empresa Oman Fuel, registada no Reino Unido, assegurou que era a proprietária da carga a bordo dos navios-tanque Pandi e Luna.

Portanto, Mobin, Oman Fuel e Sohar Fuel “têm o direito imediato à propriedade, posse e controle das Propriedades do Réu“, o registro indica e especifica que a carga foi destinada a Trinidad para posterior venda no Peru e Colômbia.

Isso, enquanto os relatórios dos EUA afirmavam que os navios apreendidos eram propriedade da Grécia.

O Irã, desde o início, disse que nem os barcos em questão nem suas bandeiras eram iranianos e alertou que o dito confisco era mera “propaganda vazia” para encobrir seu “trágico fracasso” no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU).

Essa explicação se refere à recente derrota de Washington no Conselho de Segurança, cujos membros rejeitaram um projeto de resolução apresentado pelos EUA  com o objetivo de estender o embargo de armas ao Irã, uma restrição que, no âmbito do acordo nuclear assinado em 2015, deve expirar em 18 de outubro.

Nos últimos anos, a administração dos Estados Unidos, chefiada por Donald Trump, impôs pesadas sanções ao petróleo do Irã e outras indústrias importantes com o objetivo de drenar o país persa e levar ao colapso econômico. No entanto, a República Islâmica permaneceu forte e buscou novos mercados.

Nesse contexto, Teerã e Caracas estabeleceram uma estreita cooperação no setor de petróleo . Em maio, o Irã enviou cinco petroleiros à Venezuela com combustível e, em junho, outro navio cheio de produtos essenciais para abrir um supermercado. 

HISPANTV

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui