A morte silenciosa do acordo UE-Mercosul

Ato em Amsterdã: críticas de Merkel se juntam aos protestos exigindo medidas do governo brasileiro contra o desmatamento

Deutsche Welle*

Merkel pôs em xeque o pacto comercial devido às queimadas na Amazônia. Ao ignorarem o alerta, governos sul-americanos deixam claro seu desinteresse na implementação do tratado. Também na Europa o silêncio predominou.

Faz exatamente um ano desde que o presidente francês, Emmanuel Macron, atacou o Brasil pela primeira vez por causa dos incêndios na Amazônia, durante a cúpula do G7 na França. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, disse agora que tem dúvidas sobre se o acordo comercial da União Europeia (UE) com o Mercosul ainda pode ser implementado. O motivo são as queimadas na região amazônica.

As “sérias dúvidas” de Merkel se encaixam na corrente de muitos outros críticos que há um ano vêm exigindo cada vez mais veementemente que o governo brasileiro tome medidas contra o desmatamento. Primeiro foram as organizações ambientais, depois os embaixadores da Noruega e da Alemanha e, finalmente, agora fundos, bancos e empresas que pediram ao governo de Jair Bolsonaro que tome uma atitude.

Mas as reações do governo até hoje são as mesmas: afirma que faz o suficiente para proteger a Amazônia; responde que a Europa e os Estados Unidos já desmataram tudo o que tinham; quer oferecer parques nacionais a empresas privadas estrangeiras, para que elas possam proteger o meio ambiente. Afinal, o que o mundo estaria disposto a pagar pela proteção da floresta tropical?

Os militares, segundo o governo, protegerão a floresta de maneira mais eficaz do que as autoridades responsáveis. É preciso poder garantir aos pobres, como os indígenas da Amazônia, uma vida digna, algo que só seria possível com empresas e através de atividades econômicas. Assim soam os argumentos dos ministros quando comentam o tema.

Na verdade, nada mudou em um ano: nos últimos 12 meses até agosto deste ano, as queimadas aumentaram em cerca de um terço em relação ao mesmo período do ano passado. Portanto, é perfeitamente compreensível que a chanceler federal alemã se junte aos críticos. Suas advertências têm peso.

Até poucos dias atrás, Merkel era uma das mais importantes defensoras do acordo UE-Mercosul dentro do bloco. Ela havia defendido publicamente no ano passado o pacto contra as críticas do Bundestag, a câmara baixa do Parlamento alemão: nenhuma árvore a menos seria derrubada na Amazônia se o acordo não se concretizasse – era essa, mais ou menos, sua argumentação. Com a presidência do Conselho da UE exercida pela Alemanha até o final do ano, muitos esperavam que o acordo pudesse ainda dar um passo adiante em direção à ratificação.

Isso agora se tornou mais difícil. Merkel pode não ter batido o martelo ainda, mas deixou claro que o Brasil precisa se mexer. Assim, ela aumenta a pressão para tentar salvar o acordo comercial. Mas até o fim de dezembro não deve acontecer muita coisa.

Ainda mais surpreendente é o completo silêncio na América do Sul. Nenhum dos quatro governos do Mercosul comentou as críticas da chanceler alemã. Também na imprensa suas críticas encontraram pouca ressonância. A conclusão só pode ser uma: na América do Sul, nenhum dos quatro países parceiros está realmente interessado no acordo. Mesmo nas declarações dos quatro presidentes nas últimas semanas e meses, o acordo não aparece mais sequer de forma secundária.

Isso não é diferente na Europa. Na verdade, seria de se esperar que os interessados no acordo se manifestassem depois das críticas de Merkel. Ou seja, as associações industriais, as empresas de médio porte, as montadoras, os grupos de construção civil, a indústria química – todos aqueles que fazem há 20 anos campanha pela abertura do mercado na América do Sul e pela maior associação econômica mundial. Mas também na Europa o silêncio predominou, com exceção de algumas declarações de protocolo.

Portanto, tudo indica que o acordo entre a Europa e o Mercosul terá uma morte silenciosa.

O que não é algo incomum na América Latina. “Já houve muitos funerais para alianças regionais na América Latina”, disse o uruguaio Enrique V. Iglesias, que foi presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) por muitos anos. “Mas nenhum enterro.”

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

______________

*Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

28 COMENTÁRIOS

  1. Great post. I used to be checking constantly this blog and I’m
    impressed! Extremely helpful info specifically the remaining phase :
    ) I take care of such info a lot. I used to be looking for this particular info for a very lengthy time.

    Thank you and best of luck.

  2. Thanks so much for providing individuals with an extremely brilliant opportunity to check tips from this blog.
    It’s always so superb and full of fun for me and my office friends to
    visit the blog really three times per week to find out the latest tips you will have.
    And lastly, I am just certainly astounded considering the superb tactics served by you.

    Certain 4 tips in this article are unquestionably the most effective we have had.

    Feel free to visit my website: http://www.alpha-net.ne.jp/cgi-bin/sin44/aska.pl/rk=0/rs=vh.gev_6k3svwh9wmjtew2ac.jw-http://hats.com/index.html

  3. Hi there! I understand this is kind of off-topic however I needed to
    ask. Does operating a well-established website
    like yours take a lot of work? I’m completely new to running
    a blog however I do write in my diary daily. I’d like to start a blog so I will be able
    to share my personal experience and feelings online.
    Please let me know if you have any suggestions or tips
    for new aspiring blog owners. Thankyou!

  4. I think this is one of the most important info
    for me. And i am glad reading your article. But want to remark on some general things, The website style is
    great, the articles is really excellent : D. Good job,
    cheers

  5. Thank you a lot for providing individuals with remarkably pleasant opportunity to
    read in detail from this site. It can be so useful plus full of fun for me personally
    and my office mates to visit the blog more than thrice in 7 days to study the
    newest items you have got. Not to mention, I’m just certainly motivated concerning the gorgeous thoughts you give.
    Some 4 facts in this article are honestly the most suitable we’ve had.

    Here is my web blog – http://mys33.s33.xrea.com/cgi-bin/joyful2ch/joyful2ch.cgi?page=1&amp

  6. Hmm is anyone else having problems with the pictures on this blog loading?

    I’m trying to determine if its a problem on my end or if it’s the blog.
    Any feedback would be greatly appreciated.

  7. I would like to thank you for the efforts you’ve put in writing this site.
    I am hoping the same high-grade site post from you in the upcoming also.
    In fact your creative writing skills has encouraged me
    to get my own site now. Actually the blogging is spreading its wings rapidly.
    Your write up is a great example of it.

    My web blog :: medilert.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui