Anistia Internacional retira prêmio de Nobel da Paz

Postado em 13/11/2018 13:14 - Atualizado em: 13/11/2018 13:14
Share Button
Anista diz que Aung San Suu Kyi ignora violações cometidas contra rohingyas (Picture Alliance/AP Photo)

Líder Aung San Suu Kyi é acusada se indiferença com as atrocidades cometidas por militares contra minoria muçulmana rohingya no oeste de Myanmar

A Anistia Internacional retirou nesta segunda-feira 12 o prêmio concedido à líder de Myanmar, Aung San Suu Kyi, por sua indiferença com as atrocidades cometidas por militares contra a minoria muçulmana rohingya, que vivia no estado de Rakhine, no oeste do país.

Suu Kyi recebeu o prêmio Embaixadora da Consciência, a mais alta distinção da organização de direitos humanos em 2009. Ela foi inclusive vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 1991.

A Anistia disse estar “profundamente desapontada” por Suu Kyi já não ser “um símbolo de esperança, coragem e defesa eterna dos direitos humanos” e face à sua “vergonhosa traição” considera que não pode justificar a conservação do prêmio. Num comunicado, a organização informou que “com grande tristeza” que iria lhe retirar a distinção.

“Como Embaixadora da Consciência da Anistia Internacional, a nossa expectativa era que continuasse a utilizar a sua autoridade moral para falar contra a injustiça sempre que se deparasse com ela, em particular em Myanmar”, escreveu o secretário-geral da organização, Kumi Naidoo.

O comunicado lembra que o governo da líder está envolvido em múltiplas violações dos direitos humanos e destaca que durante a onda de repressão contra os rohingyas, iniciada em agosto de 2017, “as forças de segurança de Myanmar mataram milhares, violetaram mulheres e meninas, detiveram e torturaram homens e rapazes e incendiaram centenas de habitações e aldeias”.

Leia também: Ativistas contra a violência sexual conquistam o Nobel da Paz

Em 25 de agosto de 2017, um ataque de insurgentes do Exército de Salvação Rohingya de Arakan (Arsa) contra postos policiais e militares na região deixou mais de uma centena de mortos – a maior parte guerrilheiros – e desencadeou uma nova campanha militar na região.

O governo de Myanmar negou com veemência acusações de limpeza étnica, insistindo que estava apenas respondendo a ataques cometidos por rebeldes rohyngya. Segundo um relatório da ONU, existem elementos de “genocídio intencional” na operação militar contra a minoria muçulmana. Mais de 720 mil rohingyas fugiram para a vizinha Bangladesh desde o início do ataque.

As autoridades alegam que os rebeldes querem criar um Estado muçulmano autônomo no país de maioria budista. O governo classifica os rohingya de “bengaleses”, ou seja, cidadãos do país vizinho Bangladesh. Apesar de alguns deles viverem há gerações no país, Myanmar lhes nega a cidadania plena.

No comunicado, a Anistia reconhece que “o governo civil não controla os militares”, mas considera que Suu Kyi e o seu gabinete têm “protegido as forças de segurança” da prestação de contas “rejeitando, minimizando ou negando alegações de violações e dificultando investigações internacionais sobre abusos”.

A organização acusa ainda o governo birmanês de promover a hostilidade contra os rohingyas ao classifica-los como terroristas e alegar que eles estavam mentindo sobre violações. A Anistia afirma que o governo falha também em áreas onde tem autoridade para fazer reformas para melhor proteger os direitos humanos.

“Nos dois anos desde que a administração de Suu Kyi assumiu o poder, defensores dos direitos humanos, ativistas pacíficos e jornalistas têm sido detidos e outros enfrentam ameaças e são hostilizados e intimidados devido ao seu trabalho”, assinala a Anistia.

A atuação de Suu Kyi em relação à perseguição dos rohingyas a levou a perder no último ano vários prêmios, como o Elie Wiesel do Museu do Holocausto dos Estados Unidos ou o da Liberdade de Edimburgo concedido pela cidade escocesa. Sua passividade diante à violência foi criticada por diversas organizações.

DW_logo

Share Button