Anvisa aprova uso emergencial de remédio que evita agravamento de casos de COVID-19

© REUTERS / Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA-Laboratórios Rocky Mountain dos EUA

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou por unanimidade nesta terça-feira (20) o pedido de uso emergencial de um medicamento contra a COVID-19.

O remédio não previne a doença, mas apresentou resultados positivos para evitar o agravamento do quadro em pacientes com fatores de risco, conforme informa um comunidade emitido pela Anvisa.

O medicamento é um coquetel que contém a combinação de casirivimabe e imdevimabe (Regn-CoV2), dois remédios experimentais desenvolvidos pela farmacêutica suíça Roche.

O uso do remédio “reduziu significativamente o número de hospitalização e morte em paciente laboratorial sintomático com um ou mais fator de risco para doença grave”, disse o gerente-geral de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes.

O Regn-CoV2 tem administração intravenosa, é recomendado para pacientes em casos iniciais de COVID-19 e atua bloqueando a entrada do novo coronavírus na célula humana. O remédio, que também já tem aprovação para uso emergencial nos EUA, no Canadá e na Suíça, não é indicado para pacientes em estado grave.

O uso do Regn-CoV2 é restrito a hospitais e a venda é proibida ao comércio. Este é o segundo remédio contra a COVID-19 aprovado pela Anvisa. Em março, a agência aprovou o uso do remdesivir, da farmacêutica Gilead, o primeiro registro para um medicamento com uso indicado em bula para tratamento da doença.

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui