Após xingar empresária de ‘vagabunda’ e alegar poder em veículos de comunicação, secretário de Saúde da Bahia pede exoneração

Foto: Reprodução/Secom

Após o secretário de Saúde da Bahia ter xingado a chef Angeluci Figueiredo, dona do restaurante Preta, na Ilha dos Frades, de “vagabunda” por não ter sido atendido no estabelecimento no último domingo (1º), e ter alegado poder de dois veículos de comunicação baianos, Fábio Vilas-Boas pediu exoneração nesta terça-feira (3), em meio à pressão dos internautas e entidades que alegam “misoginia” e “racismo”.

Na frente da pasta desde janeiro de 2015, o cardiologista entregou a carta hoje e a solicitação foi aceita pelo governador Rui Costa. Ele agradeceu a confiança e se desculpou pelo episódio recente envolvendo a chefe e empresária, Angeluci Figueiredo. No momento, interinamente, a Sesab será conduzida pela subsecretária Tereza Paim.

Caso
Na ocasião, o secretário não foi atendido em razão do local ter sido fechado por causa do mau tempo que atingia a região e recomendação da Capitania dos Portos. Descontente por já ter feito a reserva, ele deferiu comentários agressivos e chegou a xingar a chef de cozinha por meio de um aplicativo de mensagem.

“Esqueça de me ver de novo aqui. E ainda paguei R$ 350 para desembarcar. Amigo o caralho! Vagabunda”, disse ele. Em vídeos divulgados nesta terça-feira (3) ainda é possível ver que o titular da pasta invade o estabelecimento. Após permanecer um tempo na porta de acesso ao restaurante, ele pula a divisória e invade o local. No registro ele aparece com a máscara pendurada no rosto.

O titular chegou a pedir desculpa pelos “comentários inadequados” na segunda, após repercussão do caso. “Conto com o perdão de todos que se sentiram ofendidos, pois sempre pautei minha vida na verdade e honestidade e acolhimento”, disse.

O Governo da Bahia “lamentou” o episódio e configurou como “inadmissível” o caso. “Por meio da Secretaria de Comunicação, o Governo do Estado afirma lamentar o episódio, considera inadmissível qualquer tipo de agressão e manifesta total solidariedade à empresária Angeluci Figueiredo e a todas as mulheres”, afirma a nota.

Chefe de cozinha

A chefe ao comentar o teor das mensagens citou misoginia e racismo. “O que torna a sua função sinhá mais responsável – chamar uma mulher de VAGABUNDA?”, questionou. Ainda na troca de mensagens, Vilas-Boas pontuou que poderia expor ela em dois veículos de comunicação baianos – Bnews e Bahia Notícias. “E como se fosse insuficiente essa ofensa, o senhor me ameaça de queixar-se a empresários e de me expor nos meios de comunicação, secretário”, continua a indagação.

Repúdio

Diversas entidades e internautas repudiaram a agressão verbal do secretário e pediram providências sobre a ação. A Comissão de Proteção aos Direitos da Mulher da OAB-BA e a Comissão da Mulher Advogada da OAB-BA divulgaram uma nota de repúdio.

“Utilizando-se de aplicativo de mensagens, o referido agente público destilou machismo e misoginia contra uma mulher, negra, trabalhadora, ofendendo-a na sua honra, proferindo palavras de baixo calão e ameaças de exposição pública”, pontuaram na nota.

Além disso, o Conselho Baiano de Turismo (CBT) também repudiou o caso. “A chef foi agredida, imperdoavelmente, por parte de um secretário que deveria dar exemplo e respeito (…) O secretário Fábio Vilas-Boas, mais uma vez, tentou impor sua vontade, perante o bom senso, a razoabilidade e a ciência”, disse.

Para a Secretaria de Mulheres do PT Bahia o ato “demonstra respeito, racismo, misoginia e machismo”. “No projeto de sociedade que defendemos nunca coube e não cabe nenhum tipo de opressão e violência”, crava a nota.

Além de entidades e políticos repudiarem a fala do secretário, os internautas também cobraram um posicionamento em relação ao cargo ocupado atualmente por Fábio Vilas-Boas. “Você envergonha nós baianos. Peça para sair!!!”, disse um.

“Chamar uma mulher de vagabunda porque sua reserva foi cancelada? Arrogante. Vergonha para a Bahia e para o cargo que ocupa”, repudiou outro seguidor.

Fonte: Jornal da Chapada