Atropelo em Morro do Chapéu: testemunhas se contradizem sobre acidente

Postado em 04/10/2018 11:04 - Atualizado em: 04/10/2018 11:04
Share Button

Prestes a completar um mês, o caso do acidente envolvendo uma moto e um carro no último dia 8 de setembro na BA-144 e que resultou na morte do motociclista Ricardo Rocha Lima segue sem solução e cheio de controvérsias. Testemunhas ouvidas pela polícia, que apura as circunstâncias do acidente, divergem em seus depoimentos. As testemunhas apresentadas pela defesa do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Morro do Chapéu, João Humberto Batista, que conduzia o Troller, disseram que o motociclista pilotava de forma imprudente e eximem o político de qualquer culpa no sinistro.

No entanto, moradores das proximidades do local do acidente afirmam exatamente o contrário e dizem que “Beto” como é conhecido o ex-vereador, desenvolvia alta velocidade e  contrariam as versões apresentadas pelos ocupantes do seu veículo. Ainda de acordo com essas testemunhas, a motocicleta trafegava no sentido contrário e em velocidade compatível com a via quando foi atingida em cheio pelo Troller dirigido por Beto. Com o impacto, o seu condutor foi arremessado para o alto e sofreu ferimentos gravíssimos vindo a falecer no local.

De acordo com as mesmas testemunhas, João Humberto não prestou socorro ao motociclista e abandonou o local só se apresentando à polícia dias depois do ocorrido. Embora João Humberto tenha dito que, ainda no dia do acidente, procurou a família da vítima para prestar assistência, a companheira de Ricardo, Jabina Jesus Reis da Silva, desmente categoricamente a informação e diz que a família não foi procurada em nenhum momento. Outras testemunhas que preferem manter o nome em sigilo dizem o que o ex-vereador estaria dirigindo sob o efeito de bebidas alcoólicas.

Share Button