Balanço do dia: Dodge, MBL e Bolsonaro, por Luis Nassif

Postado em 17/08/2018 15:52 - Atualizado em: 17/08/2018 15:52
Share Button

Suposta modernidade na gestão pública e fake news, complementam a receita que disfarça o gosto amargo da continuidade do golpe de estado no Brasil

Jornal GGN – No último balanço do dia, Luis Nassif analisa a movimentação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge se antecipando às intenções do MBL e do deputado a candidato à presidência, Jair Bolsonaro, de lançar no Tribunal Superior Eleitoral o pedido de impugnação da candidatura do ex-presidente Lula.
No lance seguinte dessa jogada, a presidente do TSE, Rosa Weber, encaminhou o pedido para sorteio caindo sob a responsabilidade do ministro Luis Roberto Barroso. Se concretizando a impugnação e, consequentemente, a transferência de votos para Fernando Haddad, a única alternativa dentro do Judiciário para afastar de vez o PT dessas eleições será a exposição pública do arbítrio ao qual o ex-presidente e seu partido têm sido expostos nos últimos anos.
A suposta modernidade. O estilo Paulo Hartung de gestão (ex-governador do Espírito Santo, que quebrou os serviços públicos daquele estado) foi exaltado pela Globo News como modelo de modernidade quando, na verdade, tem todas as práticas do velho coronelismo: uso de aparelho do estado em benefício próprio, arrogância na hora de definir políticas públicas e, principalmente, o corte sistemático dos gastos essenciais da governabilidade. A defesa dessa suposta modernidade aumenta dentro de setores do judiciário.
Fake news. Por trás da ação do Facebook que desmontou grupos de compra e venda de likes da principal rede social do mundo está, novamente, a Atlantic Council, centro de lobby que atua dentro Congresso norte-americano, entre procuradores-gerais da América Latina e tem entre membros do seu conselho ex-secretários de Estado.
O cenário, completa Nassif, é de luta para continuar destituindo o executivo brasileiro de poder dentro da estrutura de Estado. Como não se pode oficializar a censura, utiliza-se de outros métodos, como a guerra contra a “fake news”, pontuando que os raros momentos em que o país passou por desenvolvimento, foi quando houve a preponderância do poder do Executivo.
lula_e_haddad.jpg
Haddad e Lula (Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula)
Share Button