Bolsonaro é ameaça a democracia e América Latina, diz The Economist

Postado em 20/09/2018 17:00 - Atualizado em: 20/09/2018 17:00
Share Button
Foto: Reprodução
Jornal GGN – “Hoje em dia os brasileiros devem se perguntar se, como a divindade no filme, Deus saiu de férias”, escreveu a revista britânica “The Economist”, no artigo “Jair Bolsonaro, a mais recente ameaça da América Latina”, publicado nesta quinta-feira (20).
A reconhecida revista não só apresentou o candidato da extrema direita como ameaça em editorial, como também estampou na capa da edição desta semana, com uma fotografia do presidenciável nas cores do Brasil, com a manchete: “A última ameaça da América Latina: BOLSONARO PRESIDENTE“.
No texto, a publicação faz menção ao filme “Deus é brasileiro”, ao valorizar as riquezas naturais, a música e a beleza do país, que agora tem tudo a perder. “O Sr. Bolsonaro seria uma adição particularmente desagradável ao clube de populistas no mundo. Se ele vencesse, poderia colocar em risco a própria sobrevivência da democracia no maior país da América Latina”, pontua.
A reportagem lembra que os grandes índices de intenções de voto a Bolsonaro se devem às justificativas de uma economia fracassada, com alto nível de desemprego, a corrupção do colarinho branco, o descrédito da classe política deflagrado pela Operação Lava Jato, um Congresso que torna a corrupção de Michel Temer impune, etc.
“Até então, ele era um congressista de sete mandatos pelo estado do Rio de Janeiro, reconhecido de longa data por ser grosseiramente ofensivo. Bolsonaro disse que não iria estuprar uma congressista porque ela era ‘muito feia’; que preferiria um filho morto a um gay; que os quilombolas que vivem em assentamentos são gordos e preguiçosos”, enumerou.
“Mas, de repente, essa disposição de ‘quebrar tabus’ está sendo interpretada como uma prova de que ele é diferente dos padrões políticos da capital, Brasília”, concluiu The Economist: “E, assim, para os brasileiros desesperados por se livrarem de políticos corruptos e traficantes de drogas assassinos, o Sr. Bolsonaro se apresenta como um xerife sensato.”
Sobre o recente ataque a Bolsonaro durante um comício, a revista afirma que “só o tornou mais popular e o protegeu de uma crítica mais minuciosa pela mídia e por seus adversários”.
Mas a edição pede cuidado, ao se lembrar do que diz a própria história da América Latina. “Os brasileiros não devem ser enganados: além de suas visões sociais não liberais, Bolsonaro tem uma admiração preocupante pela ditadura”.
Um dos exemplos citados é o caso da ditadura no Chile de Augusto Pinochet (1973-1990), que misturou políticas autoritárias com a economia liberal do “Chicago Boys”. “Eles ajudaram a estabelecer o terreno para a prosperidade relativa de hoje no Chile, mas a um custo humano e social terrível”, relembrou.
Por fim, o editoral sugere que os brasileiros não devam se deixar levar por Bolsonaro, cujo lema poderia chegar a ser “eles torturaram, mas agiram”. “A América Latina conhece todos os tipos de homens fortes, a maioria deles terríveis”.
E os riscos são grandes, considerando que “a democracia do Brasil ainda é jovem” e que “até mesmo um flerte com autoritarismo é preocupante”.
“Em vez de cair nas promessas vãs de um político perigoso, na esperança de que ele possa resolver todos os seus problemas, os brasileiros devem perceber que a tarefa de curar sua democracia e reformar sua economia não será fácil, nem rápida. Algum progresso foi feito – como a proibição de doações corporativas a partidos e o congelamento de gastos federais. Muito mais reformas são necessárias. O senhor Bolsonaro não é o homem que o fornece”, finaliza.
Share Button