Brasil deve começar a testar vacina russa Sputnik V em um mês

© Sputnik / Ministério da Saúde da Rússia

A revista científica The Lancet, umas das mais importantes do mundo, publicou nesta sexta-feira (4) os resultados dos testes da vacina russa Sputnik V, constatando a eficácia da imunização contra a COVID-19.

O governo do Paraná informou nesta sexta-feira (4) que os testes no Brasil da vacina russa Sputnik V devem começar em um mês, após a liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os exames serão feitos com dez mil profissionais de saúde voluntários.

Logo após o registro da vacina por parte da Rússia, o governo do Paraná firmou, em 12 de agosto, um acordo com Moscou para o desenvolvimento da Sputnik V no Brasil.

De acordo com o governo estadual paranaense, os resultados dos testes da vacina russa já tinham sido compartilhados com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) no final de agosto.

Produção da vacina Sputnik V na fábrica da empresa Binnofarm
© SPUTNIK / SERVIÇO DE IMPRENSA DA AFK SISTEMA Produção da vacina Sputnik V na fábrica da empresa Binnofarm

O pedido para que os testes sejam liberados pela Anvisa deve ser realizado em dez dias. O governo do Paraná, citado pelo G1, informou que o protocolo do pedido está sendo elaborado.

O registro da vacina Sputnik V foi realizado pelo Ministério da Saúde da Rússia em 11 de agosto, tornando-se a primeira vacina contra o novo coronavírus a ser registrada no mundo.

Imunidade e segurança

A publicação da revista The Lancet nesta sexta-feira (4) revelou que a vacina russa contra o novo coronavírus produziu resposta de anticorpos em todos os participantes dos testes em estágio inicial.

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), que financiou o desenvolvimento da vacina, declarou que a Sputnik V demonstrou uma resposta imune em 100% dos pacientes e não causou “eventos adversos graves em nenhum dos critérios, enquanto o nível de efeitos adversos de outras vacinas candidatas teve uma incidência de 1% a 25%”.

O Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, citado pela The Lancet, informou que “o nível de anticorpos nos voluntários vacinados foi 1,4-1,5 vezes maior do que nas pessoas que adoeceram e venceram a doença”.

Foi informado também que os dados apresentados pela The Lancet são o primeiro passo de uma série de publicações sobre a vacina russa Sputnik V em revista científicas. Os resultados dos testes clínicos pós-registro [terceira fase], com a participação de 40 mil voluntários, serão publicados em outubro-novembro.

 

Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui