China reafirma seu apoio à Venezuela diante da interferência dos EUA

O Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi (à direita) e seu homólogo venezuelano Jorge Arreaza, Diaoyutai State Guest House, Pequim, 16 de janeiro de 2020. Foto: Reprodução HISPANTV

A China rejeita a interferência dos EUA na Venezuela e apóia a luta do governo de Nicolás Maduro para preservar a soberania e a dignidade nacionais.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, destacou que a Venezuela está lutando, por um lado, para prevenir e controlar a pandemia do novo coronavírus, que causa o COVID-19, e, por outro, contra as tentativas de interferência dos Estados Unidos em seu país. assuntos internos.

Em videoconferência realizada nesta sexta-feira com seu homólogo venezuelano, Jorge Arreaza, Wang destacou que a China apóia os esforços do país bolivariano diante da rápida disseminação do vírus mortal, e por “seu direito de preservar a soberania do Estado, a dignidade nacional e o desenvolvimento ”.

“A China está decididamente do lado do povo venezuelano e do lado da justiça internacional”, frisou o ministro das Relações Exteriores da China, antes de valorizar as relações Pequim-Caracas.

Wang também está convencido de que a Venezuela é capaz de resolver seus problemas sociopolíticos por meio do diálogo e expressou a vontade de Pequim de desempenhar “um papel construtivo” nesse processo.

O Chanceler venezuelano, por sua vez, agradeceu a Pequim o apoio a Caracas no âmbito internacional e lembrou as tentativas malsucedidas dos Estados Unidos de reintroduzir a ideia “América para os americanos”, derivada da “Doutrina Monroe” do Presidente americano James Monroe (1817-1825).

Em mensagem deixada em sua conta no Twitter, o ministro venezuelano também indicou que ambas as partes analisaram na reunião telemática “os avanços e desafios da aliança estratégica entre China e Venezuela, que resultou em mais de 500 projetos conjuntos, o criação de fundos binacionais e cooperação nas mais diversas áreas de nossas economias ”.

“Reforçamos nossa Aliança Estratégica Integral, rejeitamos as agressões hegemônicas e reiteramos nossa confiança no multilateralismo”, destacou Arreaza em seu tweet.

Li Baorong, embaixador da China na Venezuela, por sua vez, publicou uma mensagem na mesma rede social em que qualificou a videoconferência entre os dois chanceleres como “frutífera”.

China e Venezuela são dois países alvos de retórica de guerra e pressão dos EUA por não se submeterem às decisões da Casa Branca. Os laços cada vez mais profundos e inabaláveis ​​entre Pequim e Caracas em relação aos Estados Unidos, de fato, representam um desafio para um império que vem perdendo influência globalmente.

 

HISPANTV

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui