Comandante do Exército Boliviano é preso pelo massacre de Sacaba

General da Brigada Aérea, Alfredo Cuéllar, detido no âmbito das investigações do massacre de Sacaba, La Paz, Bolívia, 24 de novembro de 2020. Foto: Reprodução HISPANTV

O Ministério Público boliviano ordenou na terça-feira a prisão do General Alfredo Cuéllar da Brigada Aérea no âmbito das investigações do caso Sacaba.

A Polícia Boliviana deteve o alto comando militar sob acusações associadas ao massacre ocorrido em novembro de 2019 no setor da ponte Huayllani, região de Sacaba.

Cuéllar é investigado pelo Ministério Público devido à morte de 12 pessoas e aos ferimentos causados ​​a outras 125 durante a repressão do governo de fato de Jeanine Áñez contra os manifestantes que protestavam contra o golpe contra o então presidente Evo Morales.

Especificamente, as mortes acusadas pelo Ministério Público do General Cuellar ocorreram em 15 de novembro de 2019, quando os militares dispararam agentes químicos e projéteis contra os manifestantes no Trópico de Cochabamba, na ponte da mencionada demarcação de Huayllani.

Segundo a procuradora Lizeth Martinez, “o mandado de prisão foi expedido pelo risco de fuga e obstrução da investigação, além de outros elementos contra os militares”.

O representante do Ministério Público acrescentou que Cuellar, o primeiro uniformizado a ser detido por estes fatos, “está na qualidade de apreendido e os atos de investigação que se julguem convenientes serão realizados para esclarecer esse fato”.

Cuellar aguarda agora uma audiência da qual se aguardam medidas cautelares. Segundo o seu advogado Edwin Paredes, o seu cliente “apenas exerceu funções administrativas” durante os incidentes sob investigação.

Esta detenção ocorre um dia depois da instalação de um Grupo de Peritos da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que investigará os eventos de violência em 2019.

Após a  renúncia de Morales em 10 de novembro  e a instalação do governo de fato, protestos massivos foram desencadeados na Bolívia por partidários do ex-presidente exigindo seu retorno e a saída do governo autoproclamado.

Nessas manifestações, as Forças Armadas usaram armas e agentes químicos para dispersar os manifestantes em Sacaba e Senkata, nos dias 15 e 19 de novembro, respectivamente, e causaram a morte de pelo menos 18 seguidores de Morales.

Diante de tal situação, Áñez expediu um decreto que isentava de “responsabilidade criminal” as forças de segurança que reprimiam os protestos  contra o golpe.

Várias organizações internacionais, incluindo a Amnistia Internacional (AI), a organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) e as Nações Unidas (ONU), denunciaram que a violência no país andino  constitui uma violação de direitos humanos. 

 

Fonte: HISPANTV

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui