Embaixador do Irã equipara sanções a crimes contra a humanidade

© AP Photo / Vahid Salemi

O embaixador do Irã na Organização das Nações Unidas (ONU), Majid Takht Ravanchi, disse nesta quarta-feira (25) que as sanções unilaterais contra o seu país são crimes contra a humanidade.

A declaração foi feita em reunião informal do Conselho de Segurança da ONU. Durante o encontro, uma série de representantes dos países da União Europeia defenderam as sanções, insistindo que elas não prejudicam civis e não influenciam a situação humanitária.

“De qualquer ponto de vista, as medidas coercitivas unilaterais, incluindo sanções, são amorais, desumanas, ilegais e representam crimes contra a humanidade”, disse Takht Ravanchi. Ele fez um apelo à comunidade internacional para “suspender imediatamente todas essas medidas”.

“Ao contrário das declarações de alguns países ocidentais, não há sanções inteligentes ou exceções em relação a alimentos, remédios e outros itens humanitários”, disse o embaixador iraniano.

Ele enfatizou que as penalidades impostas ao Irã prejudicam os mais vulneráveis ​​e inocentes, e também podem levar a uma crise humanitária. O diplomata lembrou que seu país está sob sanções há mais de 40 anos, principalmente dos EUA, e atualmente enfrenta as “mais duras da história”.

Trump mostra a ordem executiva assinada que aumenta sanções contra o Irã, 24 de junho
© AP PHOTO / ALEX BRANDON Trump mostra a ordem executiva assinada que aumenta sanções contra o Irã, 24 de junho

“As sanções prejudicaram consideravelmente nossos esforços na luta contra a pandemia de COVID-19”, disse Takht Ravanchi. Ele observou que o Irã tem recursos financeiros em alguns países, mas as sanções impedem o país de usá-los até mesmo para comprar equipamentos médicos.

Ele concluiu dizendo que as penalidades impostas ao Irã não respeitam plenamente os direitos humanos, além de ir contra os princípios da liberdade de comércio e navegação.

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui