Entenda os protestos em Belarus

Mulheres vestidas de branco e carregando flores da mesma cor dominam os protestos em Belarus

Manifestantes saem às ruas da antiga república soviética há anos. Mas por que as marchas se tornaram tão fortes apenas agora, qual o papel que as mulheres desempenham e por que a pandemia foi um catalisador.

DW

Há várias semanas, milhares de pessoas saem às ruas de cidades em Belarus para protestar. Em um momento histórico, mais de 100 mil manifestantes se reuniram, no domingo (16/08), somente na capital, Minsk, para pedir a renúncia do presidente Alexander Lukashenko. Nos próximos dias, espera-se até mesmo que os protestos aumentem.

Os manifestantes em Belarus entoam frases como “Vá embora” e “Viva Belarus”. Os protestos são contra o quê?

Os protestos na ex-república soviética de Belarus foram inicialmente dirigidos contra os resultados das eleições presidenciais de 09 de agosto. Segundo informações oficiais da comissão eleitoral, o presidente Lukashenko obteve 80,2% dos votos, mas as pesquisas estavam prevendo um resultado bem diferente.

Observadores consideram o resultado uma fraude, e os cidadãos se sentem enganados. “Entretanto, porém, há muito mais em jogo: a autonomia do povo e a exigência de poder assumir seu próprio destino político”, diz Felix Krawatzek, do instituto ZOIS de estudos sobre a Europa Oriental.

Já faz tempo que a população suporta a que é considerada a última ditadura da Europa – Lukashenko está no poder desde 1994. Segundo especialistas, a eleição de 26 anos atrás foi a única que ele realmente venceu. Apenas um mês após assumir o cargo, ele garantiu o controle da televisão e, em 1996, dissolveu o Parlamento e o Tribunal Constitucional por meio de um referendo. Ao fazer isso, ele concedeu a si mesmo o direito de legislar. Desde então, a oposição tem sido reprimida.

Por que as manifestações contra Lukashenko se tornaram mais intensas agora?

Nas últimas décadas, a população em Belarus tem saído repetidamente às ruas contra o governo e suas políticas. “O diferente desta vez é a liderança forte e simbolicamente carregada da oposição, além de uma esperança real de ocorrer uma mudança fundamental”, conta Krawatzek.

O que começou como uma manifestação de oposição antes das eleições continuou a se expandir após o anúncio da suposta vitória eleitoral de Lukashenko. “As pessoas estavam furiosas com essa grande manipulação eleitoral e se reuniram novamente nas ruas”, afirma o cientista político.

Mulheres abraçam policiais e colocam flores em seus equipamentos de proteçãoMulheres abraçam policiais e colocam flores em seus equipamentos de proteção

O governo reagiu com canhões d’água e gás lacrimogêneo, pelo menos 6.700 manifestantes foram presos e várias pessoas foram mortas. Mesmo assim, a violência estatal não levou a um retrocesso das manifestações – pelo contrário.

A pandemia do novo coronavírus também atuou como um catalisador. Muitos, especialmente os mais jovens, perderam seus empregos. Além disso, Belarus não introduziu quaisquer restrições, apesar do alto número de casos: escolas e lojas permaneceram abertas, e os eventos continuaram acontecendo. “Havia grandes dúvidas se o regime realmente se importava com seu povo”, diz Krawatzek.

Quem está organizando os protestos? Por que há tantas mulheres?

Inicialmente, eram principalmente os jovens que saíam às ruas. Mas, agora, todos os grupos etários e profissionais podem ser vistos – desde membros da orquestra sinfônica até operários de fábricas. As manifestações acontecem não apenas na capital Minsk, mas também em cidades menores.

As mulheres vem ganhando destaque: descalças, usando roupas brancas e com flores nas mãos. Sempre que possível, elas abraçam policiais uniformizados e colocam flores em seus equipamentos de proteção. “Isso mudou a estratégia de protesto: a violência do Estado é confrontada com um contrapeso pacífico”, comenta o cientista político Krawatzek.

Para ele, a mudança de direção está intimamente ligada às três políticas da oposição Svetlana Tikhanovskaya, Maria Kolesnikova e Veronika Tsepkalo. “Com um misto de autenticidade, modéstia e credibilidade, elas conseguiram mobilizar as pessoas. Dessa forma, elas mesmas encorajaram outras mulheres do país a se tornarem politicamente ativas”, frisa Krawatzek.

Existe algum paralelo com os protestos realizados em 2014 na Ucrânia?

À primeira vista, pode haver paralelos, pois em ambos os países as pessoas saíram – e ainda saem – às ruas contra a corrupção na política.

Em termos de conteúdo, no entanto, os protestos em Belarus – ao contrário da Ucrânia – não são sobre uma decisão entre a União Europeia e a Rússia, mas, principalmente, sobre a suposta fraude eleitoral, o presidente Lukashenko e seu sistema repressivo.

“Não se trata de trazer Belarus para a União Europeia, mas de autodeterminação política”, diz Krawatzek. As bandeiras do bloco europeu são, portanto, encontradas em vão nos protestos.

______________

*Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui