Esquema de Ricardo Barros ofereceu US$ 1,2 milhão para Luis Miranda não atrapalhar negócio da Covaxin

Bolsonaro, Luis Miranda e Ricardo Barros (Foto: Alan Santos/PR | Pedro França/Agência Senado)

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) contou a interlocutores que foi chamado para duas reuniões nas quais recebeu propostas milionárias em propinas para não interferir no processo de compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde, revelou reportagem da revista Crusoé na noite desta terça-feira (29). Um esquema de propina, conforme revelou a Folha de S. Paulotambém existiu na compra das vacinas da AstraZeneca.

Luis Miranda, junto com seu irmão, o servidor da pasta Luis Ricardo Miranda, foram os responsáveis por levarem à CPI da Covid as informações de que Jair Bolsonaro teria sido avisado das irregularidades no processo de aquisição do imunizante e, mesmo diante da denúncia. O chefe do governo federal ainda teria apontado o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), como “dono do rolo”.

De acordo com o parlamentar, onze dias após a conversa com Bolsonaro na qual denunciou o possível esquema de corrupção na compra da Covaxin, ele teria sido chamado por um conhecido lobista de Brasília, Silvio Assis, ligado a Barros, para uma conversa. No diálogo, conta o deputado, Assis tentou o transformar em um aliado, dizendo que nada poderia dar errado no negócio de compra da Covaxin. O lobista ainda teria oferecido ao deputado uma recompensa pelo silêncio, dizendo também que a reeleição do parlamentar estaria garantida.

Em maio, pouco mais de um mês desde a conversa com Bolsonaro, Miranda foi chamado via WhatsApp para uma nova conversa. Desta vez, além de Assis, o próprio Ricardo Barros compareceu. O objetivo era o mesmo: convencer Miranda a ficar em silêncio sobre a Covaxin em troca de benefícios.

O lobista ofereceu a Miranda uma participação sobre cada dose da vacina que seria vendida ao Ministério da Saúde: 6 centavos de dólar. O deputado, portanto, poderia lucrar US$ 1,2 milhão, cerca de R$ 6 milhões, caso a compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde fosse concluída.

Pouco depois da publicação da reportagem, Luis Miranda disse que o veículo é responsável por suas publicações e que não comentaria “fatos que não pode comprovar”.

Já o deputado Ricardo Barros afirmou que conhece o lobista Silvio Assis e admitiu tê-lo encontrado, assim como o deputado Luis Miranda, mas negou ter discutido sobre compra de vacinas com ambos.

Fonte: Brasil 247

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui