EUA “enviam mensagem” à Rússia lançando bombardeiros sobre a Europa

Foto: Reprodução HISPANTV

O aumento dos voos de bombardeiros dos EUA na Europa nas últimas semanas é um aviso à Rússia, afirma um alto comando militar.

Em 22 de agosto, os Estados Unidos enviaram um esquadrão de ataque de seis bombardeiros estratégicos do tipo B-52 à Europa para o que sua Força Aérea chamou de “uma missão de treinamento planejada há muito tempo”. Desde então, esses bombardeiros voaram por toda a Europa.

O general Adrian Spain, diretor de planejamento das Forças Aéreas dos EUA na Europa e na África, disse na terça-feira que os bombardeiros B-52 “competem todos os dias” na Europa para enviar uma mensagem à Rússia.

No dia 27 de agosto, os B-52s participaram de uma missão de treinamento com caças britânicos e franceses, além de realizar um vôo de um dia sobre os 30 países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). , “Para demonstrar a solidariedade da Aliança, melhorar a preparação e fornecer oportunidades de treinamento”, disse a Força Aérea dos Estados Unidos.

Os bombardeiros estratégicos dos EUA concluíram o treinamento de agosto, junto com outras aeronaves da OTAN, sobre o Mar Báltico, perto das fronteiras russas, e começaram setembro com outro sobrevôo no Mar da Noruega.

Da mesma forma, os B-52s também sobrevoaram a Ucrânia neste mês e a área sensível localizada perto do Mar de Azov, muito perto da Rússia, irritando Moscou, que denuncia a crescente presença militar ocidental em suas fronteiras.

O alto comando militar dos EUA afirmou que o envio de B-52s para a Europa e as atividades militares crescentes de membros da OTAN na Europa Oriental – no Mar Negro e Báltico – visam demonstrar a “forte” aliança que existe entre os aliados e apontam que, “qualquer tentativa de se colocar entre nós dessa forma não vai funcionar.”

No entanto, os voos recentes dos B-52s na Europa não ocorreram sem incidentes. Em 28 de agosto, dois caças Su-27 russos interceptaram um Boeing B-52 Stratofortress dos Estados Unidos que se aproximava das fronteiras da Rússia enquanto sobrevoava as águas neutras do Mar Negro.

Após o início da crise ucraniana em 2014, os laços bilaterais entre Moscou e o bloco militar ocidental deterioraram-se a níveis nunca vistos desde o fim da Guerra Fria. Ambas as partes acusam-se mutuamente de praticar atos hostis, enquanto cada uma delas organiza manobras em resposta às realizadas pela outra parte.

 

HISPANTV

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui