EUA trabalham duro para que Maduro saia do poder até o fim do ano, diz diplomata americano

© AFP 2020 / MARCELO GARCIA / Presidência da Venezuela

AMÉRICAS

 

Em audiência no Senado dos EUA, o enviado especial do país para a Venezuela, Elliott Abrams, ressaltou que Washington está somando esforços para conseguir o afastamento de Maduro do poder.

Além disso, a administração do presidente Donald Trump está disposta a dialogar com o presidente venezuelano somente para tratar de sua saída do poder.

“Com Maduro estamos dispostos a falar de sua saída. Se quer ficar na Venezuela ou ir embora, mas de nenhuma maneira falaremos com ele sobre sua permanência no poder”, afirmou Abrams, citado pelo portal Infobae.

O diplomata americano também estipulou um prazo para a eventual saída de Maduro.

“Esperamos que não siga no poder após o final do ano e estamos trabalhando duro para que isso aconteça”, acrescentou.

Pressão

Apesar da atual política de sanções e pressão contra Caracas, Abrams conclamou os países para adotarem medidas ainda mais duras contra Maduro, entre elas restrições de viagem.

“Necessitamos de mais sanções, sanções pessoais, do tipo que o Canadá, a União Europeia e os países do Tratado do Rio fizeram”, disse o diplomata.

Por outro lado, os EUA reforçaram seu apoio ao líder oposicionista e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

Para tanto, o título de presidente interino de Guaidó continuará sendo reconhecido pelos EUA, publicou o portal Stars and Stripes, citando Abrams.

Sputnik

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui