Exames genéticos podem ajudar na prevenção de câncer de mama e de ovário hereditários

Foto: Divulgação

NOB conta com um serviço de aconselhamento genético para prevenção do câncer de mama e ovário. 

Estima-se que entre 5 e 10% dos casos da doença têm associação a componente hereditário

Em 2021, de acordo com estimativa do INCA, o Brasil deve registrar cerca de 625 mil novos casos de câncer, sendo que, deste total, serão cerca de 66.280  tumores de mama.  Estudos epidemiológicos revelam que entre 5 e 10% dos casos de câncer são atribuídos a fatores hereditários, quando uma mutação genética  transmitida de geração para geração aumenta as chances de uma pessoa desenvolver a doença. Em Salvador, o NOB (Núcleo de Oncologia da Bahia) – Oncoclínicas conta com um serviço de aconselhamento genético, que tem como objetivo avaliar o risco do indivíduo desenvolver câncer de mama e ovário hereditários por meio de uma criteriosa análise da história clínica pessoal e familiar do(a) paciente. O aconselhamento é indicado para pessoas que tiveram diagnóstico de câncer em idade jovem e/ou que possuem importante história familiar de câncer. 

É possível realizar essa investigação através de exames feitos com amostras de sangue ou saliva. O exame consiste no sequenciamento de um painel de genes específicos, entre eles os genes BRCA1 e BRCA2, responsáveis por até 70-80% dos casos de câncer de mama e ovário hereditários. O exame é recomendado para indivíduos diagnosticados quando jovens, independentemente da história familiar, ou quando há um importante histórico familiar de câncer que sugira a possibilidade de mutação genética hereditária na família. Após a identificação de uma mutação patogênica, associada a maior risco de desenvolvimento de câncer ao longo da vida, o ideal é que familiares de primeiro grau também realizem o teste (mãe, pai, irmãos e/ou filhos) para que medidas de prevenção para estes também possam ser discutidas.

“O diagnóstico de uma mutação patogênica em algum dos genes em que se conhece a associação a maior risco de desenvolvimento de câncer não é uma sentença de que esse indivíduo irá desenvolver a doença, mas, neste caso, a probabilidade é maior do que na população em geral e, por isso, medidas específicas de rastreamento e prevenção devem ser abordadas na consulta de aconselhamento genético”, explica a oncologista Luciana Landeiro,  da equipe do NOB Oncoclínicas

“Apesar da hereditariedade ser um dos fatores de risco para casos de câncer, vale lembrar que a genética familiar representa um percentual relativamente baixo de todos os diagnósticos da doença. O estilo de vida é um dos principais responsáveis pelo surgimento de vários tipos de câncer, principalmente fatores como sobrepeso, obesidade, tabagismo, sedentarismo, consumo excessivo de bebida alcoólica e hábitos alimentares inadequados”, explica Luciana Landeiro.  “Manter-se no peso adequado, fazer atividade física regular, ter uma alimentação saudável, não fumar e realizar os exames de rotina são grandes aliados da saúde em geral e na prevenção de vários tipos de câncer”, conclui a médica. 

Caso Angelina Jolie   

Desde que a atriz norte-americana Angelina Jolie declarou, em 2013, ter realizado um exame que apontava um risco aumentado de desenvolver câncer, muitas mulheres têm considerado o teste genético, que detecta alterações no DNA que podem levar ao surgimento de tumores malignos, como uma espécie de pré-diagnóstico. No caso da atriz, o resultado indicava uma mutação em genes especificamente relacionados aos tumores de mama e ovário, elevando em até 87% a probabilidade de desenvolver a doença, o que levou Jolie a realizar uma mastectomia bilateral preventiva, que consiste na retirada de ambos os seios sem que haja um diagnóstico de câncer. À época, Jolie declarou que contava com um histórico familiar de câncer de mama e de ovário e que optou pela cirurgia com apoio de uma equipe médica qualificada, que a apoiou na tomada de decisão. Em 2015 a atriz realizou ainda uma nova cirurgia, desta vez para retirada dos ovários e trompas, já que determinadas mutações genéticas, incluindo mutações em BRCA 1 e 2 se associam também a maior risco de tumores em outros locais além da mama, como os ovários. 

Sobre o Grupo Oncoclínicas 

Fundado em 2010, é um dos maiores grupos especializados no tratamento do câncer na América Latina. Possui atuação em oncologia, radioterapia e hematologia em 11 estados brasileiros. Atualmente, conta com 68 unidades entre clínicas e parcerias hospitalares, que oferecem tratamento individualizado, baseado em atualização científica, e com foco na segurança e o conforto do paciente. 

Seu corpo clínico é composto por mais de 850 médicos, além das equipes multidisciplinares de apoio, que são responsáveis pelo cuidado integral dos pacientes. O Grupo Oncoclínicas conta ainda com uma parceria exclusiva no Brasil do Dana-Farber Cancer Institute, um dos mais renomados centros de pesquisa e tratamento do câncer no mundo, afiliado à Harvard Medical School, em Boston, EUA. 

Na Bahia,  o Grupo Oncoclínicas é representado pelo NOB (Núcleo de Oncologia da Bahia), referência na promoção, acolhimento e cuidado com a saúde integral do paciente oncológico. A instituição possui um centro de pesquisa com inúmeros estudos clínicos desenvolvidos ao longo de anos, o que representa uma arma na luta contra o câncer e traz para a população novas tecnologias no combate à doença. Fundado em 1992 por Gildete Lessa, uma das oncologistas pioneiras no estado, o NOB foi incorporado à Oncoclínicas em 2014. 

Além de três unidades próprias de atendimento em Salvador, conta ainda com parceria com o centro de Oncologia do Hospital Santa Izabel. 

 

Para obter mais informações, visite www.grupooncoclinicas.com 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui