Lava-Jato peruana: procurador pede prisão preventiva da candidata à presidência Keiko Fujimori

© AP Photo / Martin Mejia

Candidata presidencial no Peru é acusada de lavagem de dinheiro. Se condenada, Keiko Fujimori ficará sujeita a até 30 anos de prisão.

O promotor José Domingo Perez pediu a um tribunal do crime organizado no Peru que revogasse a liberdade condicional de Keiko Fujimori por supostamente ter se encontrado com uma testemunha no caso contra ela, Keiko.

“Determinou-se novamente que a acusada descumpriu a restrição de não se comunicar com as testemunhas. Foi noticiado como algo público e notório que se comunica com a testemunha Miguel Torres Morales”, diz a petição, citada pelo jornal O Globo.

A filha do ex-presidente preso Alberto Fujimori (1990-2000) é acusada de ter recebido dinheiro da empreiteira brasileira Odebrecht. Ela nega as acusações, mas já passou 16 meses em prisão preventiva.

Eleições no Peru

Nesta quinta-feira (10), a candidata à Presidência do Peru, Keiko Fujimori, pediu às autoridades eleitorais a anulação de cerca de 200 mil votos sob acusações de irregularidades e “fraude na mesa de voto”.

O candidato considerado de esquerda, Pedro Castillo tem 50,2% dos votos válidos contra 49,8% de Keiko, afirma o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol). Foram apuradas 99,1% das urnas. A diferença atual é de 71.441 votos.

Pedro Castillo, de 51 anos, é filho de camponeses e prometeu reformular a Constituição e as leis de mineração do Peru.

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui