Líderes somalis apoiam a realização de primeiras eleições em 50 anos

Mogadíscio, (Prensa Latina) O primeiro-ministro da Somália, Hassan Ali Kheyre, o embaixador da ONU Abubakar Dahir Osman e o presidente do Senado, Abdi Hashi Abdullahi, endossaram neste domingo (07) a realização de eleições pela primeira vez nos últimos anos. 50 anos.
Realizar uma eleição oportuna é mais importante do que qualquer outra coisa no momento e é um dos principais objetivos que o público nos confiou, afirmou Kheyre.

Em uma declaração conjunta, eles prometeram que o país realizará suas primeiras eleições por sufrágio universal desde 1969, conforme solicitado pelo presidente Mohamed Abdullahi Mohamed, apesar dos desafios atuais sugerirem o contrário.

A este respeito, anunciaram que o Parlamento se reunirá este mês para rever o calendário eleitoral.

O porta-voz do Ministério da Informação da Somália, Ismail Muhktar Omar, disse ao jornal EastAfrican que o governo está tentando se comunicar com as partes interessadas para garantir as eleições.

A sétima sessão do Parlamento estava marcada para abril, mas a pandemia de Covid-19 atrasou a abertura.

Naquela sessão, era esperado o relatório da Comissão Nacional Eleitoral Independente sobre o modo de eleição, e seriam promulgados regulamentos para garantir que as mulheres obtenham uma reserva de 30% dos assentos no corpo legislativo.

De acordo com o planejamento original, as eleições parlamentares estão agendadas para dezembro de 2020 e as presidenciais em janeiro de 2021.

O mau governo caracteriza a Somália desde que Mohamed Siad Barre lançou um golpe em 1969 e estabeleceu um governo militar que o manteve no poder até 1991, quando foi derrubado por clãs somalis em sua luta por mais autonomia. Naquela época, começou a guerra civil que dura até os dias de hoje e, embora um governo provisório tenha sido formado em 2004, era necessário esperar até 2012 para que a Somália tivesse um governo central novamente, escolhido entre os clãs predominantes.

Então, em 2017, ocorreram eleições, mas o clima de extrema violência e as dificuldades na realização de um censo populacional forçaram a repetição do procedimento de 2012, onde o presidente Mohamed, conhecido como Farmajo, foi eleito.

O próprio Farmajo promove uma Constituição definitiva e convocou as primeiras eleições com sufrágio universal em 50 anos, mas a pandemia do Covid-19 pode ser um novo obstáculo, adicionado à divisão interna e à insegurança devido aos ataques do grupo armado Al Shabaab.