Ministro da Fazenda na Colômbia renuncia após protestos e polêmica com a reforma tributária

© AP Photo / Fernando Vergara

Ministro da Fazenda da Colômbia, Alberto Carrasquilla renunciou ao cargo nesta segunda-feira (3), um dia após o presidente Iván Duque pedir a retirada do projeto de lei de reforma tributária apresentado ao Congresso.

“Minha continuidade no governo dificultaria a construção rápida e eficiente dos consensos necessários” para levar adiante outro projeto de reforma”, afirmou Carrasquilla, em sua carta de renúncia a Duque.

Em substituição de Carrasquilla, o presidente da Colômbia nomeou José Manuel Restrepo, que exerceu as funções de ministro do Comércio, Indústria e Turismo, tendo sido também chefe da pasta do Tesouro.

A renúncia, segundo informações do portal RT, foi também motivada pela confirmação de 19 mortes durante a série de violentos protestos nas ruas nos últimos dias.

A violência que se seguiu contra a reforma tributária na Colômbia deixou também ao menos 800 feridos, enquanto as mobilizações continuavam nesta segunda-feira (3).

O ministro da Defesa, Diego Molano, garantiu que os atos de violência foram “premeditados, organizados e financiados por grupos dissidentes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)”, que se afastaram do acordo de paz assinado em 2016.

Ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) participam de protesto exigindo garantias de segurança e cumprimento dos acordos de paz assinados com o governo, em Bogotá, Colômbia, 1º de novembro de 2020
© REUTERS / LUISA GONZALEZ Ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) participam de protesto exigindo garantias de segurança e cumprimento dos acordos de paz assinados com o governo, em Bogotá, Colômbia, 1º de novembro de 2020

Pressionado pelas manifestações nas ruas, o presidente Duque ordenou no domingo (2) a retirada da proposta que era debatida no Congresso. Em seguida, ele propôs a elaboração de um novo projeto que descarta os principais pontos de discórdia: o aumento do ICMS sobre serviços e mercadorias e a ampliação da base de contribuintes com imposto de renda.

A Colômbia é o terceiro país da América Latina com o maior número de infecções por COVID-19 (2,8 milhões), atrás do Brasil e da Argentina. Em termos de mortes (74.700), só é superado na região pelo Brasil e pelo México.

Agentes funerários carregam caixão de vítima da COVID-19 em Bogotá, na Colômbia.
© AP PHOTO / IVAN VALENCIA Agentes funerários carregam caixão de vítima da COVID-19 em Bogotá, na Colômbia.

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui