Porto iraniano de Chabahar seria nova pedra no sapato dos EUA?

Postado em 09/11/2018 17:03 - Atualizado em: 09/11/2018 17:03
Share Button

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, resolveu suspender algumas sanções contra o Irã para não obstaculizar o desenvolvimento do porto de Chabahar, que tem uma importância estratégica para a economia do vizinho Afeganistão.

De acordo com especialistas, essa exceção pode dar lugar à construção de uma rodovia entre o Irã e o Afeganistão, por onde serão transportados produtos alimentícios e medicamentos que não estão na lista dos bens sancionados imposta por Washington, algo que desempenharia um papel fundamental no desenvolvimento das exportações não petrolíferas iranianas a países da Ásia Central e Sul, fora do golfo Pérsico.

Segundo declarou à Sputnik Persa o analista iraniano Pir Mohamed Mollazehi, especializado em assuntos do Afeganistão, Índia e Paquistão, caso o porto de Chabahar se converta em um ponto de trânsito, o Irã reforçará suas posições na zona, além de propiciar desenvolvimento das províncias do país.”O Chabahar é o único porto localizado fora do golfo Pérsico que tem saída ao oceano, algo que é de importância estratégica para o Irã”, indicou.

O analista destacou que, caso um trem passe pelas regiões de Zahedan e Khorasan do Sul até o Afeganistão e Turcomenistão, um impulso será dado na economia das localidades iranianas de Bandar Abbas, Hormozgan, e ao sul da região de Kerman, Sistan e Baluchistan.

Enquanto isso, o especialista recordou que a China, por sua vez, havia investido em outro porto, Gwadar, situado na Índia.”Estes países competem a nível regional, portanto, o Chabahar não é apenas importante do ponto de vista estratégico”, assinalou Mollazehi.

Por sua vez, outro analista, Reza Rezajah, frisou que os investidores, em particular, da Índia, consideram o Chabahar uma “medida de realização das aspirações duradouras, assim como uma ferramenta estratégica em sua competência com a China”.

O especialista afirmou que “poderia parecer que os EUA obstruem o desenvolvimento do porto, mas não é assim. Se fosse assim, a Índia não teria investido no projeto”, acrescentou.

De acordo com Rezajah, Washington prefere permitir que a Índia trabalhe no Chabahar devido à presença da China no Gwadar. O mais importante para os EUA é impedir que Pequim e países da Europa ganhem o controle do porto.

“Deste ponto de vista, pode-se dizer que os EUA deram luz verde à Índia para investir no Chabahar”, ressaltou.

Share Button