Presidente mundial do Carrefour admite racismo, negado por Mourão e Bolsonaro

(Foto: ABr | Reprodução Brasil 247)

 O CEO global do Carrefour, o francês Alexandre Bompard, afirmou na tarde desta sexta-feira (20) que a empresa “não compactua com racismo e violência” e que pediu ao Grupo Carrefour Brasil que faça uma “revisão completa das ações de treinamento dos colaboradores e de terceiros”.

Bompard publicou uma série de mensagens no Twitter e classificou como “insuportáveis” as imagens que mostram João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos, sendo espancado até a morte por dois seguranças brancos do Carrefour nesta quinta-feira (20).

​De acordo com Bompard, medidas internas foram imediatamente tomadas pelo Grupo Carrefour Brasil, principalmente em relação à empresa de segurança terceirizada, mas essas medidas, na visão do executivo, são insuficientes.

​O CEO cobrou a revisão do treinamento dos funcionários e a colaboração da empresa com a Justiça para que “os fatos deste ato horrível sejam trazidos à luz”.

​As análises iniciais do Instituto Geral de Perícias do RS (IGP-RS) apontam para a possibilidade de asfixia como causa da morte de João Alberto Silveira Freitas.

Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, seguranças flagrados pelas imagens das câmeras, foram presos em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada.

 

Fonte: Brasil 247

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui