Reino Unido diz que não planeja confrontar China após Pequim avisar que tomará ‘medidas necessárias’

© AP Photo / Ben Mitchell

O Reino Unido disse que não planeja confrontar a China no mar do Sul da China, afirmando que tenciona enviar seu grupo de assalto de porta-aviões em uma rota mais direta através das águas contestadas da Cingapura até o mar das Filipinas.

Essa informação surge horas depois das forças militares e mídia estatal da China avisarem Londres sobre as consequências de tamanha provocação, reporta o The Guardian.

Fontes da Defesa britânica contaram que o porta-aviões HMS Queen Elizabeth navegaria a “dezenas de milhas longe” das ilhas Spratly e Paracel, reclamadas pelo gigante asiático.

O porta-aviões britânico e várias embarcações aliadas entraram no mar do Sul da China no início desta semana, e devem saír da zona até o final de sábado (31). O Queen Elizabeth e seus navios de apoio estão participando de exercícios no mar das Filipinas com os EUA, Austrália, França e Japão em uma demonstração multinacional de força contra Pequim, segundo a mídia.

Anteriormente, um porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, Wu Qian, declarou que o país respeita a liberdade de navegação, mas se opõe firmemente a quaisquer atividades navais que provoquem controvérsia.

“[Toda] a ação nunca deve tentar desestabilizar a paz regional, incluindo a mais recente colaboração militar entre o Reino Unido e o Japão […] A Marinha chinesa tomará todas as medidas necessárias para contrabalançar tal comportamento”, disse o porta-voz, citado pelo The Guardian.

Essa conta como a quinta vez que um corpo militar do Reino Unido, que inclui dois destróieres e duas fragatas, é enviado para a região do Indo-Pacífico.

Fonte: Sputnik Brasil