Relatório reflete violações de direitos humanos na Bolívia após golpe

La Paz, 3 de abril (Prensa Latina) O Centro de Pesquisa Econômica e Política Cepr revelou as violações dos direitos humanos na Bolívia durante os quatro meses do governo de fato.
O documento compartilhado hoje pelo candidato à presidência do Movimento pelo Socialismo (MAS), Luis Arce, em seu site oficial, condena a repressão após o golpe de Estado perpetrado em 10 de novembro contra o chefe do Estado Plurinacional, Evo Morales, que ele renunciou ao cargo pressionado por altos comandantes militares.

Após o golpe, a repressão exercida pelas autoridades de fato lideradas pela autoproclamada presidente, Jeanine Áñez, ‘causou 35 mortes, 833 feridos e 1.504 presos no final de 2019’, afirma a publicação.

Lamenta o ‘Decreto 4078 que concede imunidade legal às forças de segurança envolvidas em abusos’ cometidos no contexto das mobilizações contra o golpe.

Ele alerta que ‘a violência extralegal se espalhou’ e que ‘as autoridades do MAS e seus apoiadores sofreram o incêndio de suas casas, o seqüestro de familiares e espancamentos públicos’.

Também reflete perseguição política, lembrando que ‘ex-funcionários do MAS foram processados ??por acusações duvidosas, incluindo’ terrorismo ‘e’ sedição ‘, e muitos tiveram que deixar o país ou se esconder.

Ele ressalta a esse respeito que ’65 funcionários locais se demitiram devido a um ‘padrão de pressão e intimidação’ e 592 ex-funcionários são alvo de uma ‘investigação anticorrupção’ (a ser publicada antes das próximas eleições).

Ele até enfatiza que as autoridades eleitorais do governo de fato consideraram legalmente revogar o status do MAS como um partido político legítimo.

‘Menos de 24 horas depois que ficou claro que Luis Arce seria o candidato presidencial do MAS, o procurador-geral de fato anunciou que estava iniciando uma investigação de corrupção contra Arce, e um órgão local anunciou uma queixa criminal contra David Choquehuanca, o candidato. vice-presidente do MAS, apenas alguns dias antes ‘, enfatiza.

O relatório também reflete o ataque à liberdade de imprensa, com ‘jornalistas presos e 53 estações de rádio comunitárias fechadas’ e pelo menos 50 jornalistas atacados no final de 2019, canais de notícias censurados e ‘um jornalista argentino espancado até a morte em circunstâncias’ desconhecido ‘.

O Cepr inclui em seu relatório os ataques à liberdade de expressão e ataques racistas que deixaram estudantes e funcionários do estado presos por postagens em redes sociais críticas ao governo e ameaças e assédio nas comunidades indígenas.

Ele ressalta que o governo de fato é provisório e não deve ‘fazer mudanças substanciais na política externa boliviana, agricultura, justiça criminal e muito mais’.

Finalmente, o CEPR declara que ‘com o crescente peso das evidências’, pode-se dizer que ‘o governo de Áñez cometeu violações generalizadas dos direitos humanos’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui