7º Feciba encerra celebrando novos públicos para o cinema baiano

Foto: Divulgação

O primeiro Festival de Cinema Baiano (Feciba) totalmente online termina com números animadores, apesar da pandemia da COVID-19. A sétima edição do evento promoveu a exibição de 50 filmes, 20 debates e quatro oficinas. “Este ano, não houve a interação direta com o público, como sempre acontece nos debates após as sessões, mas ganhamos em alcance e engajamento, atraindo pessoas de diversos lugares da Bahia, do Brasil e do mundo interessadas  no cinema realizado por baianos,  o que dá um alcance internacional ao evento”, celebra Victor Aziz, do Núproart, um dos realizadores do Festival.

O 7º Feciba aconteceu de 15 a 26 de março e somou  17.396 visualizações à programação, 2.218 horas assistidas por 5.836 espectadores. Além disso, foi mobilizada uma equipe de 14 profissionais baianos, 11 curadores e mais de 60 convidados para os debates.

Um dos destaques desta edição foi a ampliação do leque de temas abordados nos debates, que contaram com tradução simultânea, garantindo acessibilidade em Libras para surdos e deficientes auditivos que fazem uso de Libras. “Esse público contribuiu muito nos mostrando o melhor caminho para implantar acessibilidade no Festival. Foi um evento histórico, e que nos fez pensar em formatos híbridos para os próximos, mesclando programação presencial e online”, arremata Aziz.

O público interagiu intensamente com as mesas formadas por realizadores dos filmes selecionados e por especialistas, e debateu questões referentes à representatividade e presença de mulheres, negros e LGBTQIA+ à frente e atrás das câmeras, além de questões sobre produção cinematográfica em tempos pandêmicos, uso de  ferramentas da internet, distribuição de produtos audiovisuais no mercado dentro e fora da Bahia e cineclubismo. Todo esse conteúdo vai continuar disponível no www.youtube.com/feciba

“Já é uma marca do Feciba os encontros presenciais com os realizadores, com os bate papos logo após a sessão, ali, dentro do cinema. Desta vez, o Festival se reinventou e com isso ganhou muito em público, mesmo em um período em que havia muita coisa acontecendo paralelamente. Os números confirmam o êxito do evento, mas o feedback que a nossa equipe recebeu do público, dos participantes e dos cineastas foi incrível!”, comemora Henrique Filho, da Voo Audiovisual, também realizadora do evento. Um vídeo com depoimentos de cineastas pode ser acessado aqui:  https://www.instagram.com/p/CMxoIWRJYE_/

Outra marca do Feciba é a promoção de oficinas para aprimoramento da mão de obra do audiovisual baiano. Nesta edição, a quantidade de vagas foi triplicada, somando 240 inscritos para oficinas com Cecília Amado, Orlando Senna, Solange Lima e Thiago Almasy. Além de profissionais do audiovisual, muitos estudantes de cinema participaram desses momentos, compartilhando com veteranos suas ideias e formas de fazer cinema com os recursos tecnológicos disponíveis.

E para abrir e fechar o Festival, teve música! A cantora Eloah Monteiro fez uma live show diretamente de Ilhéus, abrindo o evento com o seu repertório autoral na noite do dia 14. Já o encerramento aconteceu na tarde do último sábado (27), com show da banda Manzuá, que lançou o seu álbum homônimo nesta apresentação, tocando para um público que lotaria o Teatro Municipal de Ilhéus, onde foi realizada a primeira edição do evento há 10 anos. ‘Um show emocionante, épico!”, festejaram os integrantes da banda.

Mesmo acontecendo após uma lacuna de cinco anos, devido à falta de financiamento para a realização, esses dados só confirmam a potência do Festival como instrumento de divulgação e fruição de produtos culturais baianos. Acesse todas as informações em www.feciba.com.br/2021 e pelo Instagram e Facebook @feciba.

O Festival de Cinema Baiano é uma é uma produção do Núcleo de Produções Artísticas (Núproart) e da Voo Audiovisual. Esta edição tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.