Advogada denuncia: médicos e enfermeiros trabalhavam infectados na Prevent Senior e Wong foi internado em unidade não Covid

Advogada Bruno Morato na CPI da Covid (Foto: Edilson Rodrigues)

  A advogada Bruna Morato, responsável por ajudar a elaborar um dossiê sobre a Prevent Senior, disse na CPI da Covid no começo da tarde desta terça-feira (28) que médicos e enfermeiros eram obrigados a trabalhar pela direção da Prevent Senior mesmo depois de terem testado positivo para o novo coronavírus. Ela denunciou ainda que o médico Anthony Wong, que morreu em decorrência da doença em 15 de janeiro passado, “ficou internado em uma unidade não covid, normalmente para pacientes cardiológicos”.

Questionada pelo senador Humberto Costa (PT-SE) se profissionais de saúde trabalharam infectados nos hospitais da Prevent Senior, ela afirmou: “As informações que me foram transmitidas é que sim, médicos e enfermeiras trabalharam infectados. Assim como, no caso do doutor Anthony Wong, volto a dizer, o que me choca não é só o fato de ele ter feito o uso do tratamento preventivo e de ter sido cobaia para determinados tratamentos. Mas o fato de ele ter sido admitido em uma unidade cardiológica [após contrair o novo coronavírus], em meio a outros tantos pacientes, colocando em risco a vida daquelas pessoas, que estavam com ele dentro de uma UTI, que não tinha isolamento para Covid”.

Antes, ela afirmou que os médicos contrários ao chamado “tratamento precoce” eram demitidos pelo plano de saúde: “Os plantonistas entregavam o kit [Covid] e falavam para os pacientes: ‘Se eu não te entregar, eu posso ser demitido’. Os médicos até recomendavam as vitaminas, mas os outros medicamentos, além de não terem eficácia, eles são muito perigosos para aquele público”.

Fonte: Brasil 247