Bolsonaro defende trabalho infantil e gera nova polêmica

Presidente brasileiro Jair Bolsonaro em cerimônia em Brasília, 5 de maio de 2020. (Foto: Reuters)

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, volta a gerar polêmica, ao defender que menores trabalham, alegando que os jovens fogem dos problemas.

“Foram bons momentos em que os menores podiam trabalhar. Hoje eles podem fazer tudo menos trabalhar ”, disse Bolsonaro à Associação Brasileira de Bares e Restaurantes na terça à noite, em Brasília.

Para justificar suas afirmações, o presidente brasileiro relembrou uma época em que trabalhava desde criança depois da escola por ordem de seu pai.

Em outro ponto de suas declarações, o chefe de Estado criticou a quarentena para evitar a disseminação do novo coronavírus, que causa o COVID-19, e instou a “enfrentar” a pandemia. A este respeito, afirmou que “os jovens não querem enfrentar problemas”.

No mesmo contexto, ele novamente minimizou a gravidade do surto viral e questionou as medidas de distanciamento social aplicadas pelos governadores brasileiros.

Em declarações semelhantes feitas em junho, o presidente havia insistido que o trabalho infantil “não dificulta a vida de ninguém” e que há um excesso de direitos que não ajudam a juventude brasileira.

Bolsonaro tem um histórico de declarações polêmicas, desde seu vocabulário abertamente misógino e racista, até ser apoiador da ditadura brasileira e defender a tortura.

As palavras de Bolsonaro ressoaram mais recentemente do que antes em seus comentários sobre COVID-19. O presidente já classificou a pandemia como “uma pequena crise” e “fantasia” e indicou que a morte por coronavírus é o “destino de todo o mundo” .

O Brasil é o segundo país mais atingido pelo coronavírus no mundo, com 3,7 milhões de casos de contágio e mais de 118 mil mortes.

Enquanto isso, diferentes movimentos sociais e vários políticos brasileiros denunciaram a inépcia de Bolsonaro para lidar com a doença mortal e a crise econômica desencadeada pela pandemia no país.