Com foco em inclusão e diversidade, agência Preta Comunicação celebra o primeiro aniversário

Foto: Tiago Rodriguez/ Divulgação

Foi a ausência de representatividade somada ao sonho de fazer a diferença no mercado de comunicação que levaram Jamily Silva, Haron Soares e Giuliana Brandão, 3 jovens negros publicitários que, juntos, possuem mais de 10 anos de experiência no mercado, a criar a Preta Comunicação. Um ano depois, ainda em um cenário pandêmico, a empresa celebra o primeiro aniversário em pleno desenvolvimento com muitos projetos previstos para o futuro, tendo entre os clientes negócios potentes como a AfroTV e a Grana Preta.

 “A Preta representa uma reação a um mercado ainda excludente e pouco diverso. Há uma comunicação que tenta estabelecer uma conexão com a gente, negros e LGBTQIA+, mas que não nos atinge de forma completa porque não é feita por nós. Não somos e nem queremos ser os únicos. Queremos que o nosso negócio seja próspero e alinhado com as pautas que acreditamos”, destaca Haron Soares.

Consultoria, planejamento em comunicação, gerenciamento de mídias sociais, gestão de anúncios e marketing promocional são os principais serviços oferecidos pela agência, que busca atender empresas atentas às discussões sobre representatividade, diversidade e com o intuito de promover a inclusão no ambiente de trabalho.

“Do brainstorming à comunicação entregue ao público, somos um negócio comprometido com os clientes, estamos preparados para trabalhar com grandes marcas, mas não esquecendo dos microempreendedores, afinal empreender tem uma marca gigantesca na nossa história. É ancestral e latente”, enfatiza Giuliana Brandão.

Além de movimentar o mercado local, a Preta tem também o objetivo de inspirar, empoderar e abrir espaços para outros profissionais. “Outro dia recebi um e-mail que dizia “quero muito fazer parte da revolução que vocês estão criando, vocês são nossos heróis reais”. Somos um time verdadeiramente diverso, criativo, potente, afrocentrado, com um olhar racializado, experientes e cheios de vontade de transformar”, finaliza Jamily Silva.