Desbloqueio de bens é “consequência lógica do reconhecimento da nulidade dos processos”, diz defesa de Lula

Cristiano Zanin Martins, ex-presidente Lula e Sérgio Moro (Foto: Stuckert | ABr)

A defesa do ex-presidente Lula (PT), em nota, afirmou que o desbloqueio dos bens do petista pela Segunda Turma Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira, 26, após decisão arbitrária da Justiça de Curitiba, é “consequência lógica do reconhecimento da nulidade dos processos”.

À época, foram anuladas as condenações contra Lula, mas a 13ª Vara Federal de Curitiba, com decisão do juiz Luiz Antonio Bonat, decidiu manter os bens do ex-presidente bloqueados. De acordo com os advogados do ex-presidente, o juiz estava descumprindo decisão do Supremo, que determinou que os autos dos processos fossem enviados para o Distrito Federal.

Apenas o lavajatista Edson Fachin, que contraditoriamente deferiu a liminar tornando a Justiça de Curitiba incompetente para julgar Lula no caso do tríplex, votou a favor de Bonat. Os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Kássio Nunes Marques votaram contra o bloqueio dos bens. A Segunda Turma do STF está sem um ministro desde que Cármen Lúcia foi para a Primeira Turma.

Fonte: Brasil 247