Energia solar: com crise hídrica e aumento da tarifa de energia, cresce instalação de painéis fotovoltaicos

Foto: Reprodução Portal GOV BA

Em todo país, geração de energia solar deve crescer 61% em 2021; instituições financeiras oferecem linhas de crédito para apoiar esses projetos

A crise hídrica e o consequente aumento de tarifas de energia elétrica têm deixado a conta de luz mais cara para grande parte dos brasileiros. Buscando reduzir essa despesa e liberar um pouco do orçamento, muitos consumidores têm recorrido à energia solar, que gera uma economia de até 95% no valor mensal da fatura. O Ministério de Minas e Energia espera um crescimento de 61% na geração de energia solar no Brasil em 2021.

Conforme a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil possui atualmente mais de 518 mil sistemas solares fotovoltaicos – e ainda há muita margem para a expansão do sistema. Além da economia na conta de luz, a energia solar ainda tem a vantagem de ser renovável, contribuindo para redução da emissão dos gases do efeito estufa, algo que faz parte da estratégia de sustentabilidade do Sicredi – Instituição Financeira Cooperativa.

Em um ano, entre 2020 e 2021, o Sicredi registrou um aumento de mais de 100% em sua carteira de financiamento de projetos de energia solar. Um sinal positivo e que motivou uma parceria internacional. O Sicredi foi a primeira instituição financeira cooperativa brasileira a receber a certificação emitida pela Climate Bonds Initiative (CBI), organização que promove investimentos em projetos que são necessários para uma transição rápida em direção à economia de baixo carbono.

“Para nós, sustentabilidade é a gestão do negócio com foco na ampliação do nosso impacto positivo econômico, social e ambiental, reduzindo os impactos adversos e gerando valor para os associados, colaboradores, comunidade e demais partes interessadas”, afirma Marcos Barbosa, consultor de negócios do Sicredi no Norte/Nordeste.

Sicredi oferece linhas de financiamento para instalação de painéis solares

Apesar do valor inicial para a instalação dos equipamentos não ser baixo – custando em média cerca de R$ 15 mil -, o investimento inicial pode ser compensado em até seis anos, e a vida útil dos painéis varia entre 25 e 30 anos.

Com a oferta de linhas de financiamento para quem quer investir em energias renováveis, até setembro deste ano, o Sicredi já liberou mais de R$ 3,5 bilhões em créditos para 69.627 operações de energia solar em todo o país. Somente no Nordeste, foram R$ 286,3 milhões em crédito para 2.361 operações no mesmo período.

Segundo o consultor de negócios do Sicredi no Norte/Nordeste, Marcos Barbosa, a linha de crédito do Sicredi é direcionada para aquisição de equipamentos de energia solar e impulsiona desenvolvimento mais sustentável e economia de baixo carbono.

“Para contratá-la, o associado deve apresentar o orçamento do empreendimento na sua agência de relacionamento. A unidade de atendimento vai avaliar, dentro da proposta de crédito responsável do Sicredi, a viabilidade do financiamento e o crédito será concedido diretamente na conta corrente da empresa que irá executar o projeto”, explica Barbosa.

De acordo com Marcos Barbosa, a tendência é que a procura por esse tipo de energia cresça e isso contribuirá para fortalecer a consciência ambiental e sustentável do Sicredi na hora de financiar novos projetos.

“Nossos direcionadores de sustentabilidade norteiam a nossa estratégia de desenvolvimento sustentável e nos auxiliam a colocar a nossa missão em prática, contribuindo com o desenvolvimento local, a partir do cooperativismo de crédito, entregando soluções responsáveis aos nossos associados e comunidade”, conclui.