Espetáculo ‘Manifesto da Diversidade’ denuncia LGBTfobia, racismo e machismo

(Foto: Genilson Coutinho)

O espetáculo “Manifesto da Diversidade”, dirigido por Denys Silva, será apresentado gratuitamente ao público no dia 17 de maio, Dia Internacional de Combate à LGBTfobia, no canal do projeto no YouTube. A programação, devidamente adaptada ao momento em que o mundo atravessa uma pandemia, conta ainda com um bate-papo sobre diversidade no dia 10 de maio no perfil do projeto no Instagram.

“Manifesto da Diversidade” se revela como uma obra teatral poética que denuncia a LGBTfobia e traça paralelismos com o racismo e o machismo por meio da metáfora do ciclo de vida da borboleta e de uma pessoa trans no Brasil que, segundo estatística, é de 35 anos.

“Fazemos uma relação entre as quatro fases da borboleta e a vida de uma mulher trans. O Ovo que representa o obstáculo do nascimento; a Lagarta que ilustra a fome por autoconhecimento e as dificuldades desde caminhar; o Casulo faz alusão à morte subjetiva e ao processo de transição tão dolorido que leva esta a se fechar para o mundo; e, por fim, a Borboleta que finaliza o ciclo com a saída desse ‘armário’ para se transformar no ser alado pronto para vivenciar a plenitude do seu verdadeiro Eu”, revela Alex Gurunga, que assina o texto e parte do roteiro da obra.

O projeto se sustenta em uma reflexão lúdica sobre a opressão sofrida pela comunidade LGBTQIA+ no País e como essa realidade se configura para os brasileiros que fazem parte dessa minoria. “A arte-educação nos possibilita um aprendizado através da genuína expressão do autoconhecimento e o espetáculo discute com jovens e adolescentes formas pacíficas e artísticas de manifestação”, pontua Denys Silva.

O elenco é composto pelos artistas Alex Gurunga, Denise Rocha, Elivan Nascimento, Kenuu Alves e Tiago Costa, com participação especial de Fabiane Galvão.

A proposta é levar ao público um espetáculo composto por várias linguagens artísticas que falam sobre diversidade com foco no respeito à dignidade humana. Com um elenco de atores, dançarinos, performistas, transformistas, drags e militantes, que trarão suas expressões artísticas como forma de manifesto contra a opressão às minorias, o palco será espaço de diálogos virtuais.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e Centro de Culturas Populares e Identitárias (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui