Estimulado por Lídice da Mata e Angelo Almeida, Coletivo Sou Frida defende criação de Procuradoria da Mulher na Câmara de Feira

Foto: Divulgação

A ideia de criar Procuradorias da Mulher nos âmbitos legislativos, que vem sendo defendida pela deputada federal e presidente do PSB na Bahia, Lídice da Mata, e apoiada pelo deputado estadual Angelo Almeida, chegou à Câmara Municipal de Feira de Santana. Na sessão de quarta-feira (8), o Coletivo Sou Frida, que tem atuação feminista no município, apresentou a proposta na Casa, estimulado pelos parlamentares.

Em pronunciamento na Tribuna Livre da Casa, Júlia Oliveira, integrante do Coletivo, e Thaís Fazzio, representante dos deputados, defenderam a ideia e explicaram a importância de dar mais este passo a favor da representação feminina no espaço político.

O propósito é que a Procuradoria seja um ambiente de discussão das questões femininas, para avanços no enfrentamento à violência e discriminação da mulher. Também um espaço para realização de eventos formativos e de qualificação da mulher, para participação da vida pública.

“Ocupar esse espaço que nos foi negado é muito importante para propor políticas públicas para mulheres de Feira de Santana. Além de dá autonomia à Câmara para propor eventos, palestras, formações voltadas a mulher na política, será também mais um instrumento de enfrentamento à violência contra mulher, ao receber, acolher e encaminhar aos órgãos responsáveis os casos que chegam à Casa. Contamos com os vereadores na aprovação desse projeto”, ressaltou Júlia. “É muito importante a mulher ocupar espaço, mas ocupar de forma qualificada e esse será um dos papéis da procuradoria”, acrescentou Thais.

O deputado Angelo Almeida, que participou da sessão na Câmara de Feira, reforça a defesa de que Procuradoria será mais um instrumento pela participação da mulher na política. “Parafraseando as companheiras do Sou Frida: ‘Vai ter mulher na política, sim!”, assinalou lembrando que Lídice foi a primeira a apresentar a proposta de implantação deste órgão no Legislativo.

Ascom | Angelo Almeida