EUA estão dispostos a continuar minando acordos militares e políticos, diz especialista

ANÁLISE

EUA notificaram oficialmente a Rússia hoje (22) da retirada do Tratado de Céus Abertos, acusando Moscou de violar os termos do acordo. Especialista militar russo comentou a decisão, suas razões e consequências.

“Hoje, no Ministério das Relações Exteriores recebemos uma nota oficial da Embaixada dos EUA declarando que o governo dos EUA decidiu iniciar o procedimento de retirada do Tratado de Céus Abertos”, informou Sergei Ryabkov, vice-ministro das Relações Exteriores.

Segundo The New York Times, a Casa Branca acusou a Rússia de ser responsável pela retirada norte-americana do acordo por incumprimento dos termos do convencionado. O mesmo jornal cita alegados relatórios secretos do Pentágono e da inteligência americana insinuando que Rússia poderia estar usando o tratado para monitorar infraestruturas estratégicas dos EUA e arquitetar possíveis ciberataques.

No entanto, o jornal não apresenta documentos nem refere quaisquer pormenores comprovativos, mas aponta que a retirada deste tratado causará descontentamento entre os aliados europeus de Washington, incluindo os parceiros da OTAN que participam deste acordo.

Contudo, Donald Trump acabou por não descartar que a decisão possa ser alterada se Moscou se comprometer a seguir o estipulado pelo acordo. A Rússia teria prontamente rejeitado as acusações.

Por que EUA rasgam acordos?

O especialista militar Aleksandr Zhilin explicou ao serviço russo da Rádio Sputnik por que a administração dos EUA está deliberadamente buscando um desalinhamento na esfera da segurança internacional.

Para Zhilin, as notícias vindas da capital norte-americana são extremamente negativas para a comunidade mundial.

“Infelizmente, os Estados Unidos estão destruindo todos os acordos fundamentais que têm garantido a segurança no mundo. Tudo isso é triste porque o mundo está sendo privado de pontos de referência básicos em termos de direito internacional”, referiu o especialista, que aponta igualmente o perigo do surgimento de novas armas.

“A colocação de armas no espaço não visa apenas a capacidade de atingir alvos terrestres. Eles também planejam atuar sobre o campo magnético da Terra. Ninguém sabe como isso vai acabar. A comunidade internacional deve reagir a isso com uma resposta dura e clara”, afirmou Aleksandr Zhilin.

O especialista também desconfia que a retirada dos EUA de mais um acordo pode significar que Donald Trump não tem intenção de prolongar o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START III), que expira em 2021.

START II pode ser o 4º a ser rompido

Vale recordar que este é o terceiro acordo de controle de armas de que os EUA se retiram durante a administração Trump, após a saída do pacto internacional sobre o programa nuclear do Irã e do tratado sobre mísseis terrestres de médio alcance.

“Tenho mais que certeza que os norte-americanos também estão torpedeando o Tratado START III. A Rússia não pode fazer frente a isto sozinha. Precisamos de uma posição conjunta dos países que realmente se preocupam com sua segurança nacional”, opinou Zhilin.

Contudo, o especialista considera estranho o comportamento de certos países, como a Polônia, que poderá permitir que os EUA instalem armas nucleares em seu território.

Urge resposta firme da comunidade internacional

“Penso que a Rússia vai trabalhar no âmbito da ONU e apresentar iniciativas para atrair outros países para o seu lado a fim de deter este processo extremamente perigoso”, acredita o especialista militar.

O Tratado de Céus Abertos está em vigor desde 2002 e permite que 34 países participantes coletem abertamente informações sobre as Forças Armadas e atividades militares uns dos outros.

O princípio que preside ao tratado é de que quanto mais os exércitos rivais se conheçam mutuamente, menor a chance de conflito entre eles.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

Sputnik

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui