Ex-funcionários do Hospital de Campanha protestam contra atraso de salários

 

Os ex-funcionários do Hospital de Campanha, estiveram na manhã desta quinta-feira (14) na porta da unidade que já está desativada, em busca de um retorno sobre o pagamento, que segundo eles, está atrasado.

 

De acordo com Evany de Jesus, que foi contratada pela empresa S3 Saúde, alguns funcionários que permaneceram entre os dias 30 de setembro e 6 de outubro, ainda não receberam o salário, nem os valores rescisórios.

 

“Nós recebemos o aviso prévio até o dia 30 de setembro, alguns funcionários continuaram até esta data e outros continuaram até o último dia 6 de outubro. Porém, até o momento ainda não recebemos o nosso salário, nem temos previsão de pagamento, porque quando a gente liga, a empresa não responde, até no WhatsApp, já fomos bloqueados e quando foi ontem que ficaram sabendo da manifestação, começaram a chamar algumas pessoas para fazer os exames demissionais. Estamos aqui em busca do nosso direito, somos trabalhadores, trabalhamos do início até o fim, tivemos o compromisso, agora eles precisam cumprir a parte deles”, destacou.

Ainda de acordo com Evany, o pagamento já não estava sendo efetuado no dia correto há cerca de quatro meses.

 

“A gente já vinha recebendo o salário nos últimos quatro meses em datas diferentes, sempre com atraso. A data inicial era dia 28, depois passou para o dia 10, aumentou para 20, 25 e agora não sabemos quando vamos receber os nossos salários que estão atrasados”, lamentou.

 

Segundo a enfermeira Milena Santos, o acordo feito para data de pagamento, era no dia 11 de outubro. Ela relatou que apenas uma única informação foi dada em grupo de WhatsApp que a data, iria sofrer uma alteração.

 

“Nós cumprimos o aviso, a equipe de enfermagem trabalhou até o dia 6 de outubro e ficou de pagar no dia 11. Até o momento, a única coisa que fizeram, foi mandar uma mensagem no grupo que ainda temos, informando que não há previsão de pagamento. A gente tenta entrar em contato com o RH da empresa, mas não consegue. Nós temos famílias para sustentar, temos contas para pagar, nosso compromisso com a empresa foi concluído, mas agora queremos o respeito por parte deles”, disse.

 

Daniel da Silva trabalhou como maqueiro no Hospital de Campanha. Ao Acorda Cidade, ele informou que foi demitido há cerca de três meses, mas ainda não recebeu os valores da rescisão.

“Muito complicado essa situação que a empresa S3 responsável pelo Hospital de Campanha nos colocou. Já tem cerca de três meses que eu saí do Hospital, fui desligado e até hoje não me pagaram. Nesse momento, estamos todos aqui pais e mães de família precisando do dinheiro, porque trabalharam, estavam na linha de frente da Covid-19 e a empresa está fazendo um papel desse. É inadmissível e ainda colocam a culpa na prefeitura, mas em nosso entendimento, não é a prefeitura, porque toda empresa precisa ter recurso, tem que ter caixa para pagar os funcionários”, pontuou.

Após a equipe de reportagem sair do local da manifestação, a ex-funcionária Evany de Jesus, informou que a direção da empresa recebeu o grupo e informou que a S3 está aguardando o repasse que é feito pela prefeitura de Feira de Santana e segundo ela, a funcionária da empresa explicou que nenhum funcionário irá ficar sem receber o pagamento.

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

A S3 Gestão em Saúde, instituição licitada para administrar o Hospital de Campanha de Feira de Santana, vem em nota esclarecer questionamentos os veiculados sobre o fechamento da unidade e proventos dos colaboradores.

 

A instituição está em tratativas com a Secretaria Municipal de Saúde, representada pelo Secretário Marcelo Britto. Na tarde de hoje, quinta-feira (14), haverá uma reunião presencial para definir os trâmites de encerramento do contrato e quitação de repasse à instituição, em acordo com as regras contratuais que regem a relação entre as partes.

 

Após conclusão deste encontro, a S3 Gestão em Saúde emitirá nota com informações mais precisas sobre pagamento de valores rescisórios dos colaboradores.

 

Acorda Cidade