Golpista em 2016 contra Dilma, Temer diz ser contra impeachment de Bolsonaro

(Foto: ag. Brasil)

Michel Temer (MDB) avalia que não seria conveniente iniciar neste momento um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro.

Ele ressalta que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid pode concluir que o presidente teve “incúria” no combate à covid-19, o que eventualmente pode levar o Ministério Público a pedir o afastamento de Bolsonaro. Entretanto, Temer, que foi um dos articuladores do golpe contra a presidente Dilma em 2016, acredita que o momento não é o ideal para este processo.

A afirmação foi feita durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira (27). Segundo Temer, o processo de impedimento é “traumático” e, com o mandato de Bolsonaro já em estágio adiantado, esse efeito se ampliaria.

Temer disse que o impeachment, por passar pelo Congresso, é um processo mais político do que jurídico e que, por isso, não consegue avaliar se Bolsonaro cometeu ou não crimes. Ele afirmou que “não há condições para avaliar sobre o foco jurídico, porque o foco é sempre político”, informa O Estado de S. Paulo.

No auge da crise decorrente das agressões de Jair Bolsonaro ao STF e ameaças antidemocráticas feitas em ato público do 7 de Setembro, Michel Temer redigiu uma carta, que foi assinada pelo ocupante do Palácio do Planaldo, em que tentou se salvar de mais um crime de responsabilidade.

Foto: Brasil 247