Imóveis empresariais e residenciais precisam de plano de combate a incêndio

Foto: Divulgação

 

Ao comprar, construir ou reformar um imóvel, as pessoas devem levar em consideração uma série de medidas de segurança e prevenção de incêndio e de pânico. Estas medidas devem ser levadas em conta para imóveis empresariais e também para fim residencial.

E se engana quem acha que estas medidas só devem ser adotadas por empresas de grande porte. De acordo com a legislação, os Imóveis empresariais e residenciais multifamiliares de até 750 m², precisam de CLCB (Certificado de Licença do Corpo de Bombeiros).

“O CLCB é importante para assegurar que a edificação tenha um nível elevado de proteção a integridade daqueles que nela estão e também no imóvel. O CLCB é muito parecido com o AVCB exigido em empresas de médio e de grande porte, só que mais simplificado, mas também deve ser emitido”, afirma a engenheira de segurança e diretora da AGNI Engenharia e Projetos, Patrícia Suede.

É através do CLCB que o Corpo de Bombeiros atesta aos órgãos públicos estatais e municipais a segurança do estabelecimento e permite assim, a circulação regular de pessoas e bens dentro das edificações. O CLCB tem a mesma importância do AVCB sendo que caracteriza uma edificação de pequeno porte e com exigências de dispositivos de segurança próprios para o tamanho da área. Assim como o AVCB, este é o documento exigido por todos os órgãos que participam do trâmite legal da regularização do imóvel.

“Prevenir incêndios é tão importante quanto saber apagá-los ou mesmo saber como agir corretamente no momento em que eles ocorrem. Início de incêndio e outros sinistros de menor vulto podem deixar de transformar-se em tragédia, se forem evitados e controlados com segurança e tranquilidade por pessoas devidamente treinadas. Na maioria das vezes, o pânico dos que tentam se salvar faz mais vítimas que o próprio acidente. Nos casos dos imóveis empresariais que precisam do CLCB, os funcionários são treinados para debelar o fogo em casos de incêndio”, afirma a diretora da AGNI Engenharia e Projetos.

Muitos estabelecimentos não emitem o CLCB ou não estão com ele em dias e, acabam colocando em risco a vida de quem transita no local e da estrutura física. Com isso, a edificação corre risco de não ser regularizada e o empresário e/ou síndico podem ser responsabilizados por qualquer tragédia.

“Sem o CLCB, a edificação não poderá ser regularizada nos órgãos competentes, pois os mesmos exigem o certificado para liberar outros documentos. Acidentes e eventualidades podem ocorrer a qualquer momento, por isso a importância de manter a licença dos bombeiros atualizada”, acrescenta Patrícia Suede.

No entanto, ao contrário do que parte da população pensa; todo o processo burocrático para a emissão do documento pode ser executado por empresas especializadas.

“Fazemos a visita no local, elaboramos o projeto, e damos todo o suporte necessário para em todas as etapas até a entrega da documentação”, conclui a engenheira de segurança e diretora da AGNI Engenharia e Projetos, Patrícia Suede.

SOBRE A AGNI

A AGNI ENGENHARIA é uma empresa com foco na área de Prevenção e Combate a Incêndio. Seu nome surgiu em referência a esse fenômeno tão poderoso que é o fogo. A palavra tem origem no Sânscrito. Criada em 2018, a AGNI é formada por profissionais que já trabalham na área há 15 anos. Temos também Engenheiros Agrimensores e Engenheiros Eletricistas, o que nos permite atuação em outras áreas como: Consultoria na área de Engenharia de Segurança, Consultoria na área de Agrimensura, Treinamentos NR-10, NR-35, NR30, Levantamentos Planimétricos, Levantamento Altimétricos, Levantamentos Planialtimétricos, Georreferenciamento e Geoprocessamento e Projeto de Loteamento.

 

Fonte: Oliveira Comunicação/Assessoria de Comunicação