Meta e Fundação CERTI lançam programa de aceleração de startups voltado à cidadania e transparência

Foto: Reprodução Auonline

O programa Citz.Tech irá oferecer capacitação empreendedora, mentorias de negócios e até R$ 25 mil em créditos nas plataformas Meta para cada uma das finalistas; inscrições abrem dia 10/08

Inovação, tecnologia e empreendedorismo para transformar a sociedade – este é o conceito por trás do novo programa de aceleração da Meta, o Citz.Tech, que abre inscrições a partir do dia 10/08. A iniciativa é promovida em parceria pela Fundação CERTI (Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras), com o LabHacker – Laboratório de Inovação Cidadã da Câmara dos Deputados e o UK Brazil Tech HUB, iniciativa de empreendedorismo do Governo Britânico.

O objetivo do programa Citz.Tech é acelerar startups que possam oferecer ao cidadão meios e condições para interagir com o governo, promovendo a cidadania e possibilitando um acompanhamento de suas ações de modo mais próximo, transparente e inovador. O programa possui abrangência nacional, acontecerá de forma híbrida – com etapas online e alguns eventos presenciais –, gratuita e equity-free, com duração estimada de cinco meses. O lançamento, que acontece no dia 10/08, às 10h, no centro de inovação aberta da Meta em São Paulo, contará com a participação das lideranças dos parceiros envolvidos e é aberto à comunidade empreendedora. As inscrições para o evento vão até 05/08 no link indicado na página do Facebook do programa (https://www.facebook.com/citz.tech).

Entre os principais benefícios oferecidos pelo programa, estão um conjunto de capacitações online, workshops e atividades práticas para guiar os participantes em suas jornadas empreendedoras, assim como networking em uma comunidade exclusiva para ajudar a escalar e dar visibilidade aos negócios, ampliando suas chances de sucesso. Além disso, os participantes aprovados para a aceleração do Citz.Tech terão acesso a mentorias de negócio com especialistas de mercado, além de especialistas da Meta, que irão compartilhar experiências e conexões; também serão oferecidos créditos de anúncios nas plataformas Meta que podem chegar até R$ 25.000,00 para as startups finalistas; um pacote de serviços e ferramentas oferecidos por parceiros; office hours com a equipe executora do programa para o esclarecimento de dúvidas e suporte durante todo o processo; e acesso a potenciais investidores (anjos, aceleradoras, venture capital) em um demo day que marca o fim do processo de aceleração.

Os interessados poderão se inscrever por meio do formulário disponibilizado na página do Facebook do programa até o dia 09/09. Podem participar indivíduos ou times de até cinco integrantes, residentes no Brasil e com pelo menos 18 anos completos até a data de inscrição, que possuam soluções que utilizam meios digitais, de forma inovadora e escalável, para gerar soluções que possam prover ao cidadão os meios e condições para interagir com o governo, promovendo a cidadania e possibilitando um acompanhamento de suas ações mais próximo, transparente e inovador.

O programa será composto por duas etapas: (1) inscrições e capacitação e (2) aceleração. Após o período de inscrições, serão disponibilizadas capacitações para os inscritos, e os projetos submetidos serão analisados e avaliados. O resultado final da etapa será divulgado no dia 26/09, para que se inicie, então, a aceleração com as 50 startups mais bem avaliadas. A etapa de aceleração será composta por três fases: validação, evolução e conexão, sendo que, ao final da fase de validação serão selecionadas 25 startups para a próxima fase e, ao final da fase de evolução, serão selecionadas 10 startups para avançarem para a fase de conexão.

Ricardo Vilela, Gerente de Políticas Públicas da Meta, destaca que “o programa está alinhado com a estratégia da Meta, fomentando a inovação e apoiando a aceleração de negócios de impacto que possam gerar mais oportunidades e acessibilidade aos cidadãos”. Leandro Carioni, Diretor do Centro de Empreendedorismo Inovador da Fundação CERTI, comenta que “a CERTI dispõe de metodologias aplicadas nacionalmente, por meio de programas como InovAtiva e Centelha, que são capazes de impulsionar os empreendedores e suas empresas nos mais variados estágios de desenvolvimento, gerando diversos cases de sucesso, parcerias e conexão com investidores e nesse contexto a instituição entra na parceria com know how para estimular o setor de civictechs do país”.

Durante todo o programa, as startups estarão inseridas em uma comunidade de inovação do Citz.Tech no Facebook, em que ocorrerão trocas de experiências com outros empreendedores, mentores e especialistas. Esta comunidade será perene e irá possibilitar compartilhamento de informações e independência para as startups oferecerem suas soluções mesmo após o término do programa.

O programa deve abarcar alguns temas como: Digitalização no Poder Público; Inovação Digital no Legislativo; Compras Públicas; Previdência; Finanças públicas e Gestão orçamentária; Equilíbrio fiscal; Proteção de dados e CyberSecurity; Eficiência na gestão pública; Smart Cities/ Urban Techs; Construção e Planejamento Urbano; Combate à burocracia; Legislação; Accountability; Licitações e contratos; Controle Social e transparência; Dados estruturados e abertos; Coprodução do bem público; Educação Cívica; Educação Pública; Saúde Pública; Segurança Pública; Trabalho; Cultura; Igualdade de gênero; Erradicação da pobreza; Fome zero; Saneamento; Inclusão social; Agricultura urbana; Qualidade dos serviços públicos; Sustentabilidade e meio ambiente; Mobilidade Urbana; dentre outros.

Sobre a Meta

A Meta constrói tecnologias que ajudam as pessoas a se conectar, encontrar comunidades e crescer empresas. Quando o Facebook foi lançado em 2004, ele mudou a forma como as pessoas se conectam. Aplicativos como o Messenger, Instagram e WhatsApp ajudaram ainda mais a empoderar bilhões de pessoas em todo o mundo. Agora, a Meta está se movendo além das telas 2D, em direção a experiências imersivas como a realidade aumentada e a realidade virtual para ajudar a construir a próxima evolução da tecnologia social.