14 de maio de 2021 às 05:12
Inicial Destaque 1 Nos 90 anos da ABI, Museu de Imprensa celebra o jornalismo e...

Nos 90 anos da ABI, Museu de Imprensa celebra o jornalismo e a memória

6D6BB8C7-469D-4911-934F-F60586A00324

Uma cerimônia simples e representativa marcou a reabertura do Museu de Imprensa, como parte das comemorações dos 90 anos da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), nesta segunda-feira, dia 17 de agosto. Com poucos convidados, para atender às medidas de combate ao novo coronavírus, a entidade celebrou a conquista de forma significativa, reunindo diretores, autoridades e profissionais da imprensa. O novo equipamento cultural entregue pela ABI à sociedade foi instalado no térreo do prédio da instituição, na Praça da Sé, e será aberto à visitação no próximo dia 1º de setembro.

EAFE79EB-E3DD-4B39-874E-5DD76551DBF7Enquanto a primeira exposição do Museu, realizada há 43 anos, contou a história de jornalistas e dos fundadores da ABI, a mostra de reabertura trouxe um sensível e precioso retrato do reinado da imprensa escrita, através de peças e fotografias garimpadas pelo jornalista e pesquisador Nelson Cadena. O curador trabalhou em parceria com Enéas Guerra e Valéria Pergentino, responsáveis pela programação visual da exposição e do Museu reestruturado pelo arquiteto Augusto Ávila. Já as imagens foram reproduzidas pelo consagrado fotógrafo baiano Nilton Souza.

O jornalista Valber Carvalho, diretor de Divulgação da ABI, apresentou a cerimônia idealizada pelo diretor de Patrimônio da ABI, Luís Guilherme Pontes Tavares. A solenidade, que foi transmitida ao vivo pelo Youtube, teve como ponto alto a performance do guitarrista Felipe Guedes. O músico baiano executou, entre outras músicas, as canções “Proibido Proibir”, de Caetano Veloso, faixa lançada em 1968 e identificada como hino contra a censura e a ditadura; e “Alegria, alegria”, uma homenagem à liberdade em uma época em que “caminhar contra o vento” era um ato de rebeldia.00D0BEC9-9517-4AF1-B0E4-360DDCAC8816

Alegria, alegria

Para Walter Pinheiro, presidente da ABI, a reabertura do Museu de Imprensa é “algo que vem não só fortalecendo a ABI nos seus 90 anos, como fortalece também a imprensa baiana”, disse. Pinheiro encerrará no final deste mês o período de nove anos à frente da presidência da instituição. Agora, ele escreve mais um capítulo da história de 34 anos dedicados à ABI: vai ocupar a Assembleia Geral da entidade. Durante a cerimônia, ele reforçou que o objetivo principal da ABI, é a defesa da liberdade de imprensa. “Não há democracia sem uma imprensa livre e forte”, destacou o dirigente.

“É um momento de gratidão para quem trabalha com a cultura, com a preservação e conservação da memória”, por saber que mais um instrumento está sendo entregue à sociedade baiana”, ressaltou Renata Ramos, museóloga da ABI. “Apesar do momento, das dificuldades, conseguimos quebrar o período de quase uma década sem área expositiva, com uma mostra maravilhosa. Agradeço à ABI por confiar no meu trabalho e também à equipe”, afirmou.

Clarindo Silva, coordenador do projeto cultural Cantina da Lua, proprietário do restaurante homônimo localizado no Terreiro de Jesus, marcou presença no evento. Vizinho da ABI, ele ficou feliz com o novo espaço de cultura da capital baiana. Para Clarindo, é “forte e emocionante” o momento, “primeiro porque nós estamos vivendo essa pandemia. É ousadia poder reabrir um Museu nesse período”. Segundo ele, o Museu vai participar da revitalização do Centro Histórico de Salvador, principalmente atraindo o “público que está sempre com um pé atrás” de vir ao Pelourinho.

“Aqui para mim é mais um marco de luta e resistência pela revitalização e pela preservação da nossa memória cultural. Queria convocar ao povo baiano a se apropriar do Pelourinho, de se apropriar do Centro Histórico”, afirmou.Ele aproveitou para enaltecer os diferenciais e as belezas da localidade. “Eu não conheço nenhum lugar que consiga ter seis igrejas nas suas proximidades. Eu costumo dizer que ‘o povo que não preserva o passado, não vive o presente e jamais poderá construir um belo futuro’”,refletiu.

“As instituições, como as pessoas, têm uma história. Opresidente Walter Pinheiro mostrou-se digno da herança que recebeu dos seus presidentes e dirigentes anteriores. Parabenizo toda a equipe da ABI pela data e pela reabertura do Museu, pois nunca é um trabalho de uma pessoa apenas. O presidente é o comandante ou capitão da embarcação, mas se não houver os marinheiros, ninguémnavega”, afirmou o advogado Antônio Luiz Calmon Teixeira, 2º vice-presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). “Com muita alegria, tenho que dar parabéns, porque eu sou baiano e soteropolitano,me sinto agraciado e envaidecido com essa história linda da ABI e do Museu”, concluiu.

O fotógrafo Valer Lessa, membro da diretoria da ABI,relembrou os pioneiros e fundadores da instituição, como Altamirando Requião. “É uma satisfação imensa, não há palavras para descrever. Sensação de alegria, de prazer, um marco na história da imprensa da Bahia”, comemorou Lessa. Também prestigiaram a cerimônia os diretores da ABI: Jair Cezarinho e Romário Gomes.

Repercussão

O aniversário entidade ocupou o noticiário local, suscitando congratulações de diversos segmentos. Autoridades e instituições baianas parabenizam a ABI pelos 90 anos de história. A Associação Comercial da Bahia (ACB), entidade multissetorial mais antiga do Brasil, felicitou a ABI por meio do Instagram institucional.

Rui Costa, governador da Bahia, também usou o seu perfil no Instagram para homenagear a ABI.Parabenizo a Associação Baiana de Imprensa que completa hoje 90 anos de serviço e luta em defesa da liberdade de informação”, registrou. Ele demonstrou entusiasmo com a reabertura do Museu de Imprensa. “Um belíssimo espaçobom motivo para celebrar.O governador foi representado na cerimônia pelo jornalista André Curvello, secretário de Comunicação do Estado da Bahia. Já o jornalista Nestor Mendes Jr. representou a Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA).

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargador Lourival Trindade disse que o Poder Judiciário da Bahia reconhece a importância da associação, “que se mantém sempre atenta à defesa da liberdade de expressão e imprensa e, sobretudo, aos direitos humanos, liberdade e ética”. Em ofício enviado ao presidente Walter Pinheiro, o magistrado desejou que a ABI “continue trilhando o retilíneo caminho da boa informação, sempre comprometida com os valores mais caros e sacrossantos da democracia”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui