Oito em cada 10 empresas brasileiras preveem aumento no investimento em segurança cibernética em 2022

Foto: reprodução web

Estratégias de customer experience também precisam prever cuidados para proteção de dados de consumidores e colaboradores

O alerta é geral. A segurança cibernética nunca esteve tão em destaque nas organizações. Oitenta e três por cento das empresas brasileiras preveem um crescimento nos gastos nessa área, em 2022. O percentual é maior do que a expectativa mundial, em que 69% das companhias esperam esse aumento. Os dados são da pesquisa Global Digital Trust Insights Survey 2022, que mostrou: 36% das empresas no Brasil buscam ter um crescimento no orçamento cibernético entre 6% e 10%. Já 33% preveem uma alta de 15% ou mais.

Estudos refletem uma mudança na mentalidade corporativa no cuidado com os dados. No Brasil, esse movimento ganhou força a partir da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que obriga organizações de todos os segmentos a protegerem os dados dos consumidores de seus produtos e serviços. Uma preocupação que precisa se estender a todas as frentes da empresa e também da sociedade. “A LGPD é uma forma de conscientizar a população e também as empresas da importância de armazenar os dados, com foco na proteção e privacidade da pessoa e da corporação”, destaca Ricardo Zanlorenzi, CEO da Nexcore, empresa de tecnologia focada na comunicação entre marcas e pessoas.

E as estratégias de CX (customer experience) estão intimamente ligadas a esse cuidado. No caso da plataforma omnichannel, desenvolvida pela Nexcore, apesar da empresa fornecer a solução digital, os dados são de propriedade da corporação que contrata o serviço. Dessa forma, todas as informações devem ser protegidas pela organização.

“As empresas são proprietárias e controladoras dos dados armazenados em suas plataformas. Por isso, a empresa que nos contrata precisa disponibilizar um ambiente seguro para que os dados sejam armazenados”, explica Ricardo Zanlorenzi. De acordo com o CEO da Nexcore, isso permite que todas as informações sejam de propriedade da empresa contratante, respeitando a privacidade do cliente e dos funcionários. “Estamos adequados à LGPD e não armazenamos os dados, com o objetivo da total segurança e privacidade do cliente”, afirma.

Envolvimento do alto escalão

Somente um terço das organizações no mundo tem práticas avançadas de confiança de dados, segundo o estudo Global Digital Trust Insights Survey 2022. Porém, nenhuma companhia está isenta do cumprimento dessa lei. Caso a empresa não respeite as normas da LGPD, há a possibilidade da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) abrir um processo que pode gerar uma advertência, uma multa ou o bloqueio dos dados referentes à infração. “Por isso, é essencial que a equipe da instituição esteja atenta às regras e à segurança cibernética da corporação”, reforça.

O estudo indica que o envolvimento do alto escalão das empresas é essencial para os desdobramentos das políticas nessa área. De acordo com a pesquisa, os CEOs com melhores resultados de segurança cibernética nos últimos dois anos têm 14 vezes mais probabilidade de dar suporte relevante ao Chief Information Security Officer (CISO). Apesar disso, 77% dos executivos brasileiros e 75% dos globais relataram a complexidade nas corporações que atuam com tecnologia, dados e ambientes operacionais. O levantamento mostra também que eles têm consciência que essa complexidade pode elevar a níveis preocupantes os riscos cibernéticos e de privacidade.

De acordo com Ricardo Zanlorenzi, os CEOs precisam estar cientes sobre a LGPD e as ações contra ataques cibernéticos. “É uma via de mão dupla. Os empresários devem dar suporte à equipe de tecnologia para que as informações da corporação sejam protegidas e para que a privacidade de funcionários e clientes seja preservada. Ao mesmo tempo, em caso de ataque cibernético, é preciso que os CEOs possam contar com a equipe de TI para que o problema seja resolvido o mais rápido possível”, finaliza.