Pantanal tem maior número de incêndios em um ano; e nem acabou setembro ainda

Pantanal (Foto: CBMMS via Fotos Publicas)

As queimadas no Pantanal não param de crescer e causam uma destruição sem precedentes num bioma essencial par o país e o planeta. Ainda que o ano não tenha terminado, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 16.201 focos de incêndio até o dia 23 de setembro de 2020, o maior valor acumulado no período desde que o órgão começou a monitorar a região, em 1998. O valor supera os 12.563 focos identificados em todo o ano de 2005, o recorde até então. Governo Bolsonaro passará à história como responsável pelo maior desastre ambiental no Pantanal em toda a história.

Individualmente, o mês de setembro contabiliza 6.048 focos de incêndio — o maior número já contabilizado até agora. Até então, o pior mês de incêndios no Pantanal havia sido agosto de 2005, com 5.993 pontos de calor detectados.

Até o dia 23, os 6.048 focos de incêndio registrados no mês de setembro deste ano representam quase o dobro do que foi detectado no mesmo mês em 2019 (2.887).

O número de focos neste mês está 211% acima da média histórica do Inpe para setembro, que é de 1.944 pontos de incêndio. informa a CNN.

Com recordes de desmatamento, Bolsonaro voltou a negar o problema. Durante pronunciamento (virtual) na Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça-feira (22), ele voltou a culpar indígenas pelas queimadas. Também denunciou uma “campanha de desinformação” sobre a derrubada das florestas.

 

Fonte: Brasil 247