Pré-candidatura de Targino gera mal-estar junto a classe política em Feira

 Por Sérgio Jones*

A afirmação de que a pré-candidatura do deputado estadual Targino Machado a prefeito de Feira de Santana é real gera um aparente mal-estar, no grupo político do ex-prefeito José Ronaldo.

O jogo está jogado e o tabuleiro do xadrez político apresenta novos contornos. O que significa dizer que o velho cacique e mandatário da arte de promover manipulações visando se eternizar no poder, pode estar com os dias contados.

As estratégias montadas até o presente momento, precisam ser repensadas. A ordem já partiu do ex-alcaide para que seus áulicos permaneçam calados e não se manifestem sobre o assunto, até segunda ordem.

Exemplo que pode confirmar tal comportamento foi a postura adotada pelo prefeito de direito, mas não de fato, Colbert Martins. Que foi célere ao declarar para a imprensa que não irá comentar sobre pré-candidatura a prefeito de Targino Machado. Garante que vai manter conversa com o seu mentor e guru político José Ronaldo, por se ele quem define o processo pelo grupo.

A mesma postura foi adotada pelo puxadinho do executivo, Câmara Municipal de Feira de Santana, que a exemplo do menino bem-comportado, os vereadores obedecem de forma cega os desígnios e as determinações do andar de cima.

Quem esperava algum tipo de manifestação ou comentários por parte de suas excelências (vereadores) pode tirar o cavalinho da chuva, estes se mantiveram hermeticamente fechados em copas, e ao que tudo indica é que vão permanecer dessa forma, até segunda ordem.

Este tem sido o comportamento dos políticos subservientes que arrotam independência, quando a mesma não deixa de ser peça de ficção. Os vereadores, a bem da verdade, são representantes de interesses próprios.

O povo é visto apenas como massa de manobra que são manipulados para que eles, políticos, possam atingir os seus mesquinhos objetivos, e continuarem exercendo seus podres poderes.

*Sérgio Jones, jornalista ([email protected])