Recifes de corais podem perder habitats adequados até 2100

Washington, 20 de fevereiro (Prensa Latina) Até 2100, o aumento da temperatura da superfície do mar e das águas ácidas podem eliminar os habitats existentes nos recifes de coral existentes, sugere um estudo apresentado hoje no Ocean Sciences Meeting 2020.
Na conferência emblemática para a ciência do oceano, realizada na cidade de San Diego, Califórnia, até o dia 21 deste mês, foi sugerido que essa ameaça requer projetos de restauração nessas áreas.

Os corais são um dos ecossistemas mais diversificados, espetaculares e produtivos de todo o planeta; no entanto, eles também estão entre os ecossistemas marinhos mais sensíveis aos efeitos adversos da atual crise climática.

Os cientistas projetam que 70 a 90% dos recifes de corais desaparecerão nos próximos 20 anos como resultado das mudanças climáticas e da poluição. Portanto, trata-se de conter esse declínio transplantando corais vivos cultivados em laboratórios em recifes moribundos.

Dessa forma, eles propõem novos corais jovens, o que aumentará a recuperação do recife e o levará a um estado saudável.

Os resultados destacam os efeitos devastadores que o aquecimento global na Terra terá sobre a vida marinha, segundo os pesquisadores.

‘Tentar limpar as praias é ótimo e tentar combater a poluição é fantástico. Precisamos continuar com esses esforços, embora combater as mudanças climáticas seja realmente o que devemos defender para proteger os corais’, disse Renee Setter, biogeógrafa da Universidade do Havaí.

Os recifes de coral em todo o mundo enfrentam futuros incertos à medida que as temperaturas dos oceanos continuam a subir, um fenômeno que enfatiza essas espécies, causando a liberação de algas simbióticas que vivem nelas.

Isso torna as comunidades de coral tipicamente de cores brancas vibrantes, um processo chamado branqueamento, que tem um risco maior de morrer, algo muito comum nas mudanças climáticas.