Reunião de Netanyahu-Bin Salman marca “desastre” dos líderes sauditas

O príncipe herdeiro saudita Muhammad bin Salman (à esquerda) e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Foto: Reprodução HISPANTV

A Resistência iraquiana condenou veementemente o encontro do primeiro-ministro israelense Netanyahu com o príncipe herdeiro saudita e previu o “desastre” em Riad.

Ali al-Asadi, presidente do Conselho Político do Movimento Hezbollah Al-Nuyaba, reagiu à notícia divulgada segunda-feira pela mídia israelense de que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu se encontrou secretamente com o príncipe herdeiro saudita no domingo, Muhamad bin Salman (MBS), no território do reino árabe.

Na verdade, a informação segue a divulgação nas redes da rota de um “vôo estranho” de um avião particular do aeroporto de Tel Aviv para a cidade saudita de Neom.

Segundo Al-Asadi, os governantes árabes pensam assim, com reuniões ou a normalização dos laços com o regime israelense. eles podem garantir sua sobrevivência, mas, na verdade, eles estão marcando seu próprio “desastre”, que poderia ocorrer antes mesmo da destruição do “regime sionista”.

Essa é a verdadeira realidade da Arábia Saudita” , insistiu o chefe do movimento de resistência iraquiana em uma mensagem postada em sua conta no Twitter.

A viagem de Netanyahu ao “território das Mesquitas Sagradas” pode ser um ponto de inflexão na reação da liderança saudita, acrescentou.

Al-Asadi aproveitou a ocasião para lembrar aos monarcas árabes que, em um futuro próximo, suas medidas terão consequências “não calculadas”.

Conforme noticiado pela mídia israelense, Netanyahu chegou a Neom, no noroeste da Arábia Saudita e nas margens do Mar Vermelho, acompanhado por Yossi Cohen, chefe do serviço de inteligência (Mossad). A reunião também contou com a presença do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que na manhã desta segunda-feira confirmou ter se encontrado com Bin Salman na véspera naquela cidade.

Embora o ministro das Relações Exteriores saudita, Faisal bin Farhan, tenha notado que “tal reunião não ocorreu”, um assessor de Netanyahu corroborou a informação anonimamente.

O encontro levantou as sentenças dos palestinos. O Movimento de Resistência Islâmica Palestina (HAMAS) chamou isso de uma “afronta” aos muçulmanos, enquanto o movimento Jihad Islâmica Palestina advertiu que a visita promove uma agressão generalizada contra “o povo palestino, a comunidade islâmica e todos os lugares. lugares sagrados dos muçulmanos ”.

 

Fonte: HISPANTV

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui