Sergio Moro ensaia bolsonarismo sem Bolsonaro

Foto: Reprodução/ Vermelho

“Jamais entraria para a política. (…) Não sou um homem da política”, disse o então juiz Sergio Moro em novembro de 2016, em sua primeira entrevista oficial após o início da Lava Jato, a operação que projetou seu nome nacionalmente e provocou um terremoto no mundo político brasileiro.

Dois anos depois, Moro oficialmente entrou para a política, ao aceitar integrar o atual governo como um superministro da Justiça, levantando questionamentos sobre sua conduta como magistrado.

Afinal, ele havia sido diretamente responsável por tirar do páreo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, beneficiando diretamente o político de extrema direita Jair Bolsonaro, com quem o então juiz viria a se aliar oficialmente meses após a prisão do petista.

Agora, nesta quarta-feira (10/11), Moro oficializou sua entrada de vez na política partidária, ao se filiar ao pequeno Podemos.

Em um longo discurso, Moro assumiu uma postura de pré-candidato à Presidência, embora não tenha feito um anúncio específico sobre concorrer a esse cargo, afirmando que “está à disposição” do Brasil para assumir um papel de liderança de um “projeto nacional” de “reconstrução”.

Em sua fala, ele tentou ampliar o leque da sua agenda, notoriamente limitada nos últimos anos a temas de lei e ordem, abordando, ainda que brevemente e de modo vago, tópicos como economia, pobreza e meio ambiente, tentando se situar como uma espécie de “terceira via” entre o bolsonarismo e o petismo.

“Chega de mensalão, chega de petrolão, chega de rachadinha, chega de orçamento secreto”, disse o político Moro, em referência a escândalos que atingiram os governos Lula/Dilma e Bolsonaro.

Moro rompeu com este último em 2020, após permanecer tumultuados 16 meses no cargo de ministro. Ele deixou a pasta acusando o presidente de interferência política na Polícia Federal.

Embora tenha feito esforços para ampliar seu leque de ideias, Moro repetidamente se concentrou especialmente em seus temas de estimação: defendendo a volta da prisão em segunda instância e o fim do foro privilegiado.

Mesmo as suas falas sobre a situação social do país usaram o jargão da Lava Jato. Ele falou, por exemplo, na formação de uma “força-tarefa de erradicação da pobreza”, algo que deve alimentar a classificação de ser um candidato de “uma nota só”.

Embora tenha procurado se distanciar do hoje impopular mas resiliente Bolsonaro, Moro também fez acenos ao eleitorado de direita com falas de tom conservador, pregando que é preciso “proteger a família brasileira contra a violência, contra a desagregação e contra as drogas que ameaçam nossas crianças, jovens e adultos”.

Sergio Moro e Jair Bolsonaro nos tempos de aliados
Sergio Moro e Bolsonaro nos tempos de aliados. Ex-juiz foi pintado como “traidor” pelas redes bolsonaristas

Histórico de problemas

Em seu discurso, Moro evitou mencionar alguns temas espinhosos, atribuindo os problemas da Lava Jato a um “retrocesso” promovido por forças políticas.

Ele tentou se pintar como um idealista que inicialmente não tinha ambições políticas ou projeto pessoal de poder. Em tom mesmo messiânico, ele afirmou que passou o último ano nos EUA e que retornou porque sentia que não podia “abandonar o Brasil” diante da falta de “grandes avanços”.

“Resolvi fazer do jeito que me restava: entrando para a política, corrigindo isso de dentro para fora”, disse Moro.

Mas o ex-juiz não desponta na corrida presidencial como um rosto novo e sem degastes, mas sim como uma figura que tem sua própria carga de escândalos e uma trajetória política tumultuada.

No último ano, Moro acumulou sucessivas derrotas junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), que macularam ainda mais sua conduta na Lava Jato.

Em março, o ministro Edson Fachin anulou todas as condenações do ex-presidente Lula no âmbito da operação, incluindo a notória sentença do triplex elaborada por Moro que abriu a porta para que o petista ficasse de fora do pleito de 2018. Em junho, foi a vez de o plenário do STF manter uma decisão que declarou que Moro era suspeito para julgar Lula.

Os ministros se basearam especialmente nas revelações feitas pelo site The Intercept Brasil, que em julho de 2019 divulgou diálogos privados entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol. As conversas indicaram conluio e várias condutas ilegais executadas pela dupla para assegurar a condenação de Lula e outros réus.

Também pesou no entendimento da maioria dos ministros do STF o fato de Moro ter aceitado um cargo de ministro no governo Bolsonaro poucos meses após ter determinado a prisão de Lula.

“Demonizou-se o poder para apoderar-se dele”, disse nesta semana o ministro do STF Gilmar Mendes, um crítico da Lava Jato, ao comentar as notícias de que Moro iria se filiar ao Podemos e que Deltan deixara o Ministério Público para também oficialmente mirar na política partidária.

Desde que deixou o governo, Moro adicionou mais questionamentos sobre sua conduta ética. Ele também perseguiu iniciativas mais lucrativas, tornando-se membro da Alvarez & Marsal, empresa de consultoria com sede nos Estados Unidos que atua – e lucra – como administradora judicial de empreiteiras emparedadas pela Lava Jato.

No final de outubro, a Alvarez & Marsal e Moro encerraram a parceria, deixando o ex-juiz livre para se filiar ao Podemos.

O partido que Moro escolheu para se filiar, adota em tese um discurso contra a corrupção e de defesa da Lava Jato. No entanto, dos 19 parlamentares do Podemos – 10 deputados e 9 senadores –, um total de 10 tiveram ou ainda têm encrencas com a Justiça, o que deve testar mais uma vez o discurso idealista “anticorrupção” adotado por Moro.

Sergio Moro em 2018, quando anunciou sua saída da magistratura para assumir um ministério sob Bolsonaro
Moro em 2018, quando anunciou sua saída da magistratura para assumir um ministério sob Bolsonaro

Objetivos

Em seu discurso nesta quarta, Moro defendeu o legado da Lava Jato, cuja imagem sofreu desgaste após a explicitação dos excessos da operação e a passagem do ex-juiz pelo governo. Uma eventual candidatura também deve ser usada para tentar reavivar a imagem da operação.

No entanto, a entrada de Moro na política partidária pode ter o efeito oposto, segundo o cientista político Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo.

“A entrada de Moro no governo Bolsonaro já afetou profundamente a percepção sobre o ato que tirou Lula do processo eleitoral. Com a possível decisão de Moro de se lançar como candidato à Presidência agrava-se ainda mais a suspeita de que ele agiu de maneira não imparcial. Em geral, me parece que o engajamento de Moro na política afeta a reputação do Judiciário como um todo”, diz Stuenkel.

O cientista político Cláudio Couto, da FGV-SP, também aponta que as aparentes ambições presidenciais de Moro levantam novos questionamentos éticos.

“Entrar num partido político como agora é explicitar ainda que ele sempre foi um agente político. Ele já deixou isso evidenciado quando aceitou o convite para integrar o governo [Bolsonaro]. Isso tudo mostra que ele já tinha essa orientação. É muito difícil acreditar que ele tenha se motivado a entrar na política só agora”, diz Couto.

O que pensa Moro

No seu discurso desta quarta,  os termos vagos que Moro usou para falar sobre economia e liberalismo não jogaram mais luz sobre qual é efetivamente seu plano para o país. Mesmo Bolsonaro fez promessas eleitorais em 2018 de combater a pobreza e adotar uma agenda liberal para favorecer os negócios, que nunca se materializaram.

Para o professor Couto, não é nos discursos eleitorais que alguém vai conseguir entender Moro, mas analisando suas ações passadas. Nesse sentido, Moro seria um “conservador autoritário”, diferente de Bolsonaro, mas ainda assim autoritário e membro de uma “direita radical”.

“É difícil colocá-lo na mesma extrema direita de Bolsonaro, mas há pontos em comum, além de ele ter integrado o governo. O ponto principal é que tanto Bolsonaro como Moro, embora de maneiras diferentes, não reconhecem os limites do Estado de direito como questões relevantes. Bolsonaro o faz investindo contra o Supremo e os limites federativos. Moro, por sua vez, o fez como juiz, ao não respeitar o devido processo legal, ao abusar dos instrumentos investigativos e do processo penal, aplicando instrumentos de coação sobre testemunhas e investigados”, afirma Couto.

“Há um desapreço igual. Moro é sim um autoritário, não há como negar isso. Mas são autoritários de natureza distinta. Bolsonaro tem traços fascistas no sentido pleno. Creio que Moro está mais para um conservador autoritário do que um fascista. Isso não quer dizer que conservadores autoritários e fascistas não possam se associar. Eles fazem isso com uma certa frequência, como aconteceu na Espanha franquista e até no início do nazismo.”

Em seu discurso nesta quarta-feira, Moro parece ter feito acenos para se pintar como uma alternativa de direita mais comportada que o bolsonarismo em alguns aspectos, afirmando que a pandemia mostrou o “valor da ciência” e que é preciso parar “de ofender ou intimidar jornalistas”. “Moro até pode convencer muita gente, que pode achar que ele é um mal menor por não ser Bolsonaro”, afirma Couto.

Impacto na corrida

Para Couto, uma eventual candidatura de Moro à Presidência é uma má notícia para Bolsonaro, já que ambos tendem a disputar o mesmo eleitorado. O presidente ainda possui um núcleo fiel, que não o abandonou nem mesmo nos momentos mais erráticos do governo, mas Moro tem potencial de avançar em parte do eleitorado de direita.

“Para Bolsonaro é prejudicial. Moro divide o eleitorado dele à direita, que tem horror a Lula. No limite, ele pode conquistar uma parcela do eleitorado de Bolsonaro. Dentre as opções que apareceram até agora, Moro é eleitoralmente o candidato com mais potencial. Tem chance de embolar o jogo, ainda que não necessariamente tenha chance de ganhar”, afirma Couto.

Já Oliver Stuenkel avalia que num momento inicial Moro tem chances de se destacar no pulverizado campo da “terceira via”, possivelmente até despontando como favorito nesse grupo. Na última pesquisa Datafolha que incluiu o nome de Moro, divulgada em maio, o ex-juiz apareceu com 7% das intenções de voto – empatado tecnicamente com Ciro Gomes (PDT).

Mas Stuenkel prevê um impacto mais limitado no longo prazo. “Moro pode fazer algum barulho, mas é mais provável que ele não chegue até as eleições mesmo. Ele deve desistir antes”, arrisca.

Segundo o cientista político, o fato de Moro soar como um candidato de um “tema só”, o combate à corrupção, deve reduzir suas chances de alcançar os dois primeiros colocados no momento, Lula e Bolsonaro.

“O combate à corrupção não deve ser um dos temas centrais da campanha presidencial de 2022”, diz Stuenkel, apontando para a situação econômica do país.

“Me parece muito pouco provável que Moro consiga diversificar sua persona e mostrar competência para além desse tema específico.”

Nesta quarta-feira, uma pesquisa da Genial/Quaest apontou que a economia é o principal problema no país no momento para 48% dos brasileiros.

Um tanto ironicamente, a mesma pesquisa mostra que a entrada de Moro na corrida deve ampliar, pelo menos no momento, a vantagem do ex-presidente Lula, o nêmesis do ex-juiz. O petista apareceu com 47% dos votos no primeiro turno, contra 44% na pesquisa de agosto.

Para o cientista Claudio Couto, a entrada de Moro não deve mudar os cálculos de Lula, o favorito para ganhar a eleição de 2022.

“Para Lula é indiferente. É claro que Moro na disputa recoloca de alguma forma os problemas de corrupção que o PT enfrentou. Isso não é uma boa lembrança. Mas Lula e o PT já sofreram tanto desgaste que o prejuízo que pode vir a ocorrer com essa questão voltando à tona agora não deve ser significativo. E Lula também tem contra-argumentos, como a questão da parcialidade de Moro e o fato de Moro ter se aliado com Bolsonaro”, aponta.

Fonte: Deutsche Welle (DW)