Venezuela esteve 14 meses sem vender ‘uma gota de petróleo’, afirma Nicolás Maduro

Nicolás Maduro (Foto: Presidência da República da Venezuela)

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que seu país ficou mais de um ano “sem vender uma gota de petróleo” devido às sanções impostas pelos EUA, especialmente durante os quatro anos da administração de Donald Trump.

“A única coisa que faltou a Donald Trump foi invadir a Venezuela militarmente, tentou me matar várias vezes, incluindo um atentado com drones, tentou invadir a Venezuela por terra através do governo colombiano, impôs sanções contra todas a riqueza da Venezuela e todas as empresas venezuelanas, estivemos 14 meses sem vender uma gota de petróleo, ele nos fez perder 99% da renda nacional”, afirmou o presidente venezuelano em seu recente discurso televisionado, transmitido pelo canal Venezolana de Televisión.

O governo do país sul-americano tem denunciado repetidamente que o bloqueio comercial e financeiro contra seu país causou uma queda de 99% em sua renda, que passou de mais de US$ 56 bilhões (R$ 282 bilhões) em 2013 para menos de US$ 400 milhões (cerca de R$ 2 bilhões) em finais de 2019.

Logotipo da empresa petrolífera estatal PDVSA em um posto de gasolina em Caracas, Venezuela, 17 de maio de 2019
© REUTERS / IVAN ALVARADO Logotipo da empresa petrolífera estatal PDVSA em um posto de gasolina em Caracas, Venezuela, 17 de maio de 2019

Maduro reiterou que “as ameaças e as sanções cruéis”, que começaram durante o governo de Barack Obama e se intensificaram durante a administração Trump, fizeram com que a Venezuela perdesse quase toda sua renda em divisas.

As sanções afetaram seriamente a infraestrutura dos serviços básicos do país, como água potável, gás doméstico e fornecimento de eletricidade, uma situação que se soma a uma crise de hiperinflação, que deteriorou o poder de compra e a qualidade de vida da população.

As medidas também tiveram impacto no transporte público, na distribuição interna de combustível para veículos e na importação de alimentos e medicamentos, tais como o bloqueio de fundos aplicado contra o país para a compra de vacinas contra a COVID-19 do mecanismo Covax.

Fonte: Sputnik Brasil