7º Feciba encerra celebrando novos públicos para o cinema baiano

Foto: Divulgação

O primeiro Festival de Cinema Baiano (Feciba) totalmente online termina com números animadores, apesar da pandemia da COVID-19. A sétima edição do evento promoveu a exibição de 50 filmes, 20 debates e quatro oficinas. “Este ano, não houve a interação direta com o público, como sempre acontece nos debates após as sessões, mas ganhamos em alcance e engajamento, atraindo pessoas de diversos lugares da Bahia, do Brasil e do mundo interessadas  no cinema realizado por baianos,  o que dá um alcance internacional ao evento”, celebra Victor Aziz, do Núproart, um dos realizadores do Festival.

O 7º Feciba aconteceu de 15 a 26 de março e somou  17.396 visualizações à programação, 2.218 horas assistidas por 5.836 espectadores. Além disso, foi mobilizada uma equipe de 14 profissionais baianos, 11 curadores e mais de 60 convidados para os debates.

Um dos destaques desta edição foi a ampliação do leque de temas abordados nos debates, que contaram com tradução simultânea, garantindo acessibilidade em Libras para surdos e deficientes auditivos que fazem uso de Libras. “Esse público contribuiu muito nos mostrando o melhor caminho para implantar acessibilidade no Festival. Foi um evento histórico, e que nos fez pensar em formatos híbridos para os próximos, mesclando programação presencial e online”, arremata Aziz.

O público interagiu intensamente com as mesas formadas por realizadores dos filmes selecionados e por especialistas, e debateu questões referentes à representatividade e presença de mulheres, negros e LGBTQIA+ à frente e atrás das câmeras, além de questões sobre produção cinematográfica em tempos pandêmicos, uso de  ferramentas da internet, distribuição de produtos audiovisuais no mercado dentro e fora da Bahia e cineclubismo. Todo esse conteúdo vai continuar disponível no www.youtube.com/feciba

“Já é uma marca do Feciba os encontros presenciais com os realizadores, com os bate papos logo após a sessão, ali, dentro do cinema. Desta vez, o Festival se reinventou e com isso ganhou muito em público, mesmo em um período em que havia muita coisa acontecendo paralelamente. Os números confirmam o êxito do evento, mas o feedback que a nossa equipe recebeu do público, dos participantes e dos cineastas foi incrível!”, comemora Henrique Filho, da Voo Audiovisual, também realizadora do evento. Um vídeo com depoimentos de cineastas pode ser acessado aqui:  https://www.instagram.com/p/CMxoIWRJYE_/

Outra marca do Feciba é a promoção de oficinas para aprimoramento da mão de obra do audiovisual baiano. Nesta edição, a quantidade de vagas foi triplicada, somando 240 inscritos para oficinas com Cecília Amado, Orlando Senna, Solange Lima e Thiago Almasy. Além de profissionais do audiovisual, muitos estudantes de cinema participaram desses momentos, compartilhando com veteranos suas ideias e formas de fazer cinema com os recursos tecnológicos disponíveis.

E para abrir e fechar o Festival, teve música! A cantora Eloah Monteiro fez uma live show diretamente de Ilhéus, abrindo o evento com o seu repertório autoral na noite do dia 14. Já o encerramento aconteceu na tarde do último sábado (27), com show da banda Manzuá, que lançou o seu álbum homônimo nesta apresentação, tocando para um público que lotaria o Teatro Municipal de Ilhéus, onde foi realizada a primeira edição do evento há 10 anos. ‘Um show emocionante, épico!”, festejaram os integrantes da banda.

Mesmo acontecendo após uma lacuna de cinco anos, devido à falta de financiamento para a realização, esses dados só confirmam a potência do Festival como instrumento de divulgação e fruição de produtos culturais baianos. Acesse todas as informações em www.feciba.com.br/2021 e pelo Instagram e Facebook @feciba.

O Festival de Cinema Baiano é uma é uma produção do Núcleo de Produções Artísticas (Núproart) e da Voo Audiovisual. Esta edição tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui