Em evento sobre a Covid-19, Bolsonaro ignora os mais de 114 mil mortos e chama jornalistas de “bundões”

Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Ao participar do evento intitulado “Vencendo a Covid-19″, Jair Bolsonaro não fez qualquer menção aos quase 115 mil mortos pela doença no país e voltou a atacar os jornalistas. “Quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor”, disse

247 – Com o Brasil registrando mais de 114 mil mortes em função da pandemia do novo coronavírus, Jair Bolsonaro participou de um evento, intitulado “Vencendo a Covid-19″, nesta segunda-feira (24), no Palácio do Planalto. Durante sua participação, Bolsonaro não fez qualquer menção às vítimas da Covid-19 e voltou a atacar os jornalistas. “Quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor”, disse. Neste domingo ele disse ter vontade de “encher de porrada” a boca de um jornalista.

Nesta segunda, Bolsonaro – que já foi contaminado pela Covid-19 – relembrou que foi criticado ao dizer que seu “histórico de atleta” ajudava a impedir complicações de saúde derivadas do novo coronavírus e que virou alvo do “deboche da mídia” ao mencionar o fato. “Aquela história de atleta né, que o pessoal da imprensa vai para o deboche, mas quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor”, disparou.

Ainda segundo ele, os jornalistas sabem “fazer maldade” e “usar a caneta com maldade em grande parte”. Apesar disso, ele citou o jornalista Alexandre Garcia – que vem atuando como uma espécie de porta-voz informal do governo – como uma “exceção”. “Tem exceções como aqui o Alexandre Garcia. A chance de [um jornalista] sobreviver é bem menor do que a minha. E quem falou ‘gripezinha’ foi o Dráuzio Varella, deixar bem claro. E depois eu fui atrás”, disse.

No evento, organizado pelo assessor da Casa Civil Arthur Weintraub para promover o uso da hidroxicloroquina e da cloroquina no combate à Covid-19, apesar do uso destes medicamentos não serem indicados por órgãos como a Organização Mundial de Saúde (OM), Bolsonaro afirmou que “se a hidroxicloroquina não tivesse sido politizada, muito mais vidas poderiam ter sido salvas dessas 115 mil perdidas”. erdidas”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui