Parceria entre empreendimentos da agricultura familiar incrementa renda e valoriza a produção do licuri

Foto: Divulgação

A união comercial entre empreendimentos da agricultura familiar baiana tem gerado bons negócios e maior produtividade para o segmento. Uma dessas iniciativas é a parceria firmada entre associações de agricultores familiares do município Caldeirão Grande, no território Piemonte Norte do Itapicuru, e a Cooperativa de Produção Agropecuária de Giló e Região (Coopag), no município de Várzea Nova.

A cooperativa já é reconhecida no mercado pela produção de iogurtes com qualidade e sabores diferenciados, a exemplo de lucuri, umbu e café.

Essa parceria comercial triplicou a renda dos agricultores e agricultoras vinculados às associações Quilombola de Raposa e São João, beneficiando diretamente 60 famílias. Na primeira compra, foram comercializados 600 quilos de licuri e a previsão é que chegue ao total de 8 toneladas. O licuri, que antes era vendido para atravessadores a um valor de R$2 o quilo, hoje está sendo adquirido pela Coopag a R$6.

O vice-presidente da Coopag, Fred Jordão, ressalta que o trabalho com licuri é totalmente artesanal e que há milhares de famílias que vivem disso: “Estamos comprando esse produto a um preço justo, pois sonhamos com o fortalecimento dessa base produtiva e é preciso valorizar esse fruto. É papel da Coopag oferecer às pessoas um iogurte que vem da base produtiva de agricultores familiares, que têm uma história, fortalecer e levar esperança para essas famílias”.

Nos últimos cinco anos, a Coopag vem recebendo recursos do Governo do Estado, para estimular o crescimento produtivo e estruturar o processo de beneficiamento do leite. Já foram investidos R$3,1 milhões na expansão da unidade, que foi melhor estruturada com máquinas e equipamentos, passou a ter uma queijaria e aumentou a oferta de produtos para merenda escolar com manteiga e queijo, impactando a renda dos envolvidos e a economia do município de Várzea Nova.

O investimento foi realizado pelo Bahia Produtiva, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à SDR, a partir de acordo de empréstimo com o Banco Mundial.

 

Licuri é a principal fonte de renda

O agricultor Eliduíno Silva, da comunidade de São João, é um dos beneficiados da parceria: “Toda a comunidade aqui vive do licuri e antes estávamos vendendo por um valor muito baixo. Estamos muito felizes em vender nosso produto para uma cooperativa e aumentar nossa renda”.

Rosimeire Santos, da comunidade Quilombola de Raposa, conta que uma das principais fontes de renda para as famílias agricultoras é o extrativismo do licuri: “Aqui em Raposa cada família produz, em média, por ano, 900 quilos de licuri, vendidos, na maioria das vezes, para atravessadores. Agora, em 2021, começamos uma nova parceria com a Coopag e vendemos nossos produtos a um preço justo e com a qualidade exigida, pois o mesmo é utilizado para a fabricação de iogurte. Estamos vendendo em média para Coopag 500 quilos de amêndoas por semana, isso porque está no início da safra. Esse tipo de parceria é cada vez mais importante, pois fortalece nossa associação”.

Por meio de um convênio assinado entre a Associação Quilombola de Raposa e a CAR/SDR, no âmbito do Bahia Produtiva, será construída uma cozinha comunitária para fabricação de alimentos derivados do licuri. Também está prevista a instalação de um galpão para armazenamento do licuri e a aquisição de veículo para transportar a produção.

Ainda na comunidade de Raposa, a CAR/SDR, por meio do projeto Pró-Semiárido, disponibiliza para os agricultores e agricultoras serviço de assistência técnica continuada, e máquinário para quebra do licuri, além de apoio na infraestrutura e qualificação técnicas dos beneficários.

Assessoria de Comunicação SDR/CAR 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui