Com Butantan e Fiocruz parados, vacinação acende sinal de alerta: “preocupação é muito grande”

Vacinação e Gilberto Perre (Foto: Reuters | Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

A falta de insumos (IFA) para produzir imunizantes contra a Covid-19 no Brasil afeta nove capitais, segundo levantamento da CNN. A vacinação contra o novo coronavírus no País acende o sinal de alerta.

O secretário executivo da Frente Nacional de Prefeitos, Gilberto Perre, em entrevista à emissora, disse que “alguns estados aguardam os quantitativos deste último lote de 1,1 milhão de doses da CoronaVac para fazer os cálculos e saber se será [a quantidade será] suficiente ou não para a aplicação da última dose”.

Ele ainda disse que será “trágico” se houver mais um atraso na vacinação da população brasileira, pois “há sinais em algumas cidades brasileiras de uma possível terceira onda [da doença]. Esse assunto é cada vez mais presente por analistas e epidemiologistas”.

“A preocupação é muito grande. Não há outra alternativa a não ser acelerar o processo de vacinação”, destacou.

Paralisação no Butantan

O Instituto Butantan anunciou que entrega nesta sexta-feira, 14, o último lote da CoronaVac ao Ministério da Saúde e deve paralisar totalmente a produção do imunizante enquanto aguarda a chegada de mais insumos, que estão travados na China à espera da liberação.

O diretor do instituto, Dimas Covas, afirmou que a China deve responder até esta sexta-feira se enviará a matéria-prima contratada para que o Brasil retome a produção da Coronavac.

“São insumos que já deveriam estar aqui em solo brasileiro, por que neste momento não temos matéria-prima para continuar a produção”, afirmou.

Fiocruz paralisa na semana que vem

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) disse que irá interromper a produção do imunizante desenvolvido pela Oxford / AstraZeneca por alguns dias na próxima semana, também por falta de imunizantes.

“A quantidade de IFA já disponível na Fiocruz sustentará a produção até meados da próxima semana, garantindo as entregas até a primeira semana de junho. […] Caso haja algum impacto nas entregas, ele será avaliado e comunicado mais à frente”, disse a Fiocruz em comunicado.

A fabricação será retomada após a chegada de um novo lote de ingrediente farmacêutico ativo (IFA), a matéria-prima, prevista para o dia 22 de maio, no sábado.

Para esta sexta-feira, 14, está previsto o envio de mais 4,1 milhões de vacinas ao Ministério da Saúde, totalizando 34,3 milhões de vacinas disponibilizadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Fonte: Brasil 247