Descobrem no Egito túmulo repleto de artefatos antigos por baixo de templo de rainha-faraó

© Sputnik / Sergei Mamontov
Pesquisadores que estão conduzindo trabalhos arqueológicos no Templo de Hatexepsute fizeram novas descobertas em um túmulo subterrâneo.
O templo foi construído durante a governação, no período entre 1473 a.C. e 1458 a.C., da rainha-faraó Hatexepsute da XVIII dinastia do Antigo Egito e está situado em frente à cidade de Luxor.
O santuário é considerado uma obra-prima da arquitetura antiga. A rainha-faraó foi coroada em 1473 a.C., mudando seu nome da versão feminina Hatexepsute – que significa a Primeira das Senhoras Nobres – para a versão masculina, Hatshepsu.
Segundo informa portal Nauka w Polsce, uma missão polonesa-egípcia tem estado realizando trabalhos de escavação no templo desde 1961.
Nos últimos anos os especialistas estão concentrados na restauração de pinturas murais, que foram criadas na época da construção desde santuário há cerca de 3,5 mil anos, e na reconstrução de elementos individuais.
No âmbito destes trabalhos foi descoberto um túmulo desconhecido esculpido na rocha. Pela primeira vez a sepultura foi mencionada no século XIX, mas desde então o local nunca foi examinado.
O túmulo está coberto de pedras, e os arqueólogos temiam que a remoção das pedras pudesse levar a um colapso parcial do templo. Antes de entrar no túmulo, os pesquisadores reforçaram as paredes e teto do templo.
Entre os escombros foram achadas centenas de objetos, e descobriu-se que alguns deles eram elementos de um túmulo do período inicial do Império Médio do Egito. Isto significa que a sepultura é aproximadamente 500 anos mais antiga que o templo de Hatexepsute.
“O túmulo foi saqueado ainda na antiguidade”, disse arqueólogo Patryk Chudzik, diretor da pesquisa do Centro de Arqueologia Mediterrânea (CAS, na sigla em polonês) da Universidade de Varsóvia. “A decoração era provavelmente muito valiosa. O túmulo pertencia a uma pessoa intimamente relacionada com o faraó Mentuhotep II, talvez seu filho ou esposa.”
Vale ressaltar que este faraó pertencia à XI dinastia e é considerado o fundador do Império Médio. Somente centenas de anos mais tarde o templo de Hatexepsute foi construído ao lado de seu templo, que atualmente está quase inteiramente destruído.
“A quantidade e qualidade dos itens que encontramos aqui são surpreendentes. Entre eles há uma figura de madeira provavelmente retratando o dono do túmulo, com uma peruca em sua cabeça”, observou Chudzik.
Ele destaca que uma grande quantidade de vasos pintados e cálices da dinastia XVIII foi encontrada durante a remoção dos escombros, ou seja, foram criados muito mais tarde em comparação com a época em que o túmulo foi construído. Pesquisadores ainda precisam descobrir como estes objetos surgiram dentro do túmulo.
Fonte: Sputnik Brasil